#Mulheres

Sem espaço para o ASSÉDIO

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Sem espaço para o ASSÉDIO

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, 52% das mulheres já sofreram assédio sexual, moral ou psicológico em algum momento de suas carreiras.

Os sinais são inequívocos. Começam com elogios inoportunos, convites fora de hora ou brincadeiras “inofensivas”. Na sequência, vêm abusos os mais diversos. Todos provocam estragos, por vezes devastadores. Mas os tempos começam a mudar. Condutas impróprias no ambiente de trabalho deixaram de ser um assunto restrito às discussões internas nas empresas. Hoje, denúncias de funcionárias contra colegas e superiores, por conta de assédio e práticas abusivas, têm repercussão em escala global.

 

# Movimentos fazem ato contra execução de Marielle e visita de Temer

 

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, 52% das mulheres já sofreram assédio sexual, moral ou psicológico em algum momento de suas carreiras. As vítimas, no entanto, têm saído da redoma de silêncio que as mantinham aprisionadas. A comprovação dos abusos pode custar não só a carreira dos assediadores, como a própria reputação da companhia. Em resposta, uma importante ferramenta de combate a esse tipo de conduta tem sido cada vez mais utilizada por empresas e governos, ajudando a transformar o ambiente de trabalho: a comunicação não violenta (CNV).

 

# Coletivo de Bancárias participa de Ato no Dia Internacional da Mulher

 

Desenvolvida por um psicólogo norte americano, Marshall Rosenberg, a CNV ajuda a reduzir conflitos e a estimular compaixão, respeito e empatia, valores essenciais nas empresas e nos relacionamentos de forma geral. A mudança começa por assumir que somos todos compassivos por natureza e que estratégias violentas — sejam verbais ou físicas — são aprendidas, ensinadas e apoiadas pela cultura dominante. Ou seja, em um ambiente que estimule a competitividade, a dominação e a agressividade, tendemos a nos comportar violentamente. Já em ambientes acolhedores e cooperativos, as pessoas tendem a agir com generosidade e respeito.

 

# Uma em cada 100 mulheres recorreu à Justiça por violência doméstica em 2017

 

Um dos principais agentes dessa transformação é o nível interno de confiança. Pesquisa feita pelo especialista em neurociência e neuroeconomia Paul Zak — publicada na revista “Harvard Business Review” — mostra que funcionários das empresas que estimulam a confiança no trabalho são 50% mais produtivos, 74% menos estressados e 76% mais engajados. Mas, para tanto, é preciso um bom ambiente de trabalho. Empatia, parceria e comunicação eficaz são instrumentos apropriados para evitar muitos desses problemas.

 

# Reforma trabalhista afeta mais as mulheres, afirma juíza

 

Mesmo com os avanços conquistados nos últimos anos, a mulher é ainda o principal alvo de assédio em ambientes de trabalho. Afinal, o machismo é muito enraizado nos espaços corporativos. Nesse contexto, a CNV pode ser um modelo de transformação e de auxílio para pessoas e organizações, adotado com sucesso em mais de cem países. Em vez de rotular os colegas com expressões depreciativas, funcionários passam a empregar valores como tolerância e respeito.

 

# Gerente Geral é condenado por assédio sexual

 

Daí a reconhecida importância da CNV. Ela ajuda as pessoas a lidarem com o outro, com o diferente e com as diferenças. É uma técnica fundamental para trazer níveis de consciência a quem pratica o assédio e, com isso, colocar fim a esta prática — e, especialmente, para quem sofre os abusos, poder identificar e sair desta situação.

 

# Não fique só, Fique Sócia!

 

>> Cadastre-se no whatsapp do Sindicato: clique aqui (pelo celular) e informe banco onde trabalha e seu nome.

 

# Preencha a pesquisa Bancári@s da Baixada Santista (leva no máximo 3 minutos)

Escrito por: Marie Bendelac Ururahy - coach e especialista em comunicação não violenta
Fonte: O Globo
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!