Desmonte do Estado

'Em algum momento, a privatização do Banco do Brasil será inevitável', diz presidente da instituição

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter

Para Rubem Novaes, 'amarras' dificultarão competição com fintechs

O avanço da tecnologia no setor bancário e os fenômenos das fintechs e do "open banking" (abertura de dados e serviços bancários a outras empresas) tornam inevitável a privatização do Banco do Brasil no futuro, previu nesta sexta-feira o presidente do BB, Rubem Novaes.

 

De acordo com o executivo, o controle do banco pelo Estado impõe amarras que já dificultarão a competição do BB nesse mercado "no horizonte de dois, três, quatro anos".

 

>> BB: agência Boqueirão/Santos paralisada por falta de segurança

 

- É opinião minha, não é de governo, mas eu acho que, em algum momento, a privatização do Banco do Brasil será inevitável. Com as amarras que uma empresa pública tem, vai ser muito difícil o ajustamento, no horizonte de dois, três, quato anos, a esse novo mundo de open banking e das fintechs. Fica muito difícil em uma instituição ligada a governos acompanhar esse ritmo. Competimos com uma espécie de bola de ferro na canela - afirmou Novaes em palestra na Associação Comercial do Rio.

 

- Por enquanto, o banco é extremamente eficiente. Mas isso terá que ser enfrentado no futuro. - complementou.

 

Novaes disse nutrir a expectativa de que essa também seja a opinião do governo e da classe política, já que a privatização do BB necessitaria de aprovação no Congresso. Mas admitiu que, "hoje, a classe política não está preparada para dar esse passo."

 

- As pessoas ainda acham que a presença do governo no mercado de crédito é importante e que o papel do BB na agricultura não possa ser substituído por bancos privados. Eu acho que isso não é verdade, porque todos os mecanismos de indução que você tem para o crédito rural você pode usar de maneira generalizada - afirmou.

 

Segundo Novaes, o BB já está interessado em privatizar tudo o que não seja seu negócio principal. Ele contou que será assinada até 7 de novembro a parceria entre o suíço UBS e o BB na área de banco de investimento e corretora. A instituição estrangeira ficará com mais de 50% do capital.

 

O BB também está em tratativas com uma "grande empresa de administração de ativos internacional" para fazer uma parceria semelhante na área de gestão de ativos, afirmou o presidente.

 

>> De volta para o passado: BB suspende licença-interesse dos funcionários

Escrito por: Rennan Setti
Fonte O Globo - Economia - 25/10
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!