Bradesco: negociação sobre combate ao assédio moral

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
Bradesco: negociação sobre combate ao assédio moral

Os trabalhadores (as) retomaram nesta quinta-feira, 24, os debates na mesa de negociação com o Bradesco. O banco concordou em iniciar discussão com os trabalhadores para construção de um programa de combate ao assédio moral, tendo como ponto de partida as questões já acertadas sobre o tema na mesa temática de Saúde do Trabalhador com a Fenaban. A reunião aconteceu na sede da empresa, em Osasco. Ficou acertada a realização de uma nova rodada de negociação no dia 8 de julho, quando as duas partes farão um debate a respeito do conceito de assédio moral, de forma a uniformizar as perspectivas. O principal ponto de discordância entre as partes foi em relação ao item que trata da não divulgação do nome de funcionários acusados da prática de assédio, proposta pelo banco. Avaliamos que não é adequado um processo de negociações criar esse tipo de impeditivo, além de que a vedação de divulgação poderia induzir a permanência da prática, uma vez que o assediador poderia se sentir "protegido" pela medida. Com a divergência, as partes se comprometeram a retomar o assunto e buscar uma nova formulação que contemple banco e trabalhadores. Os representantes do Bradesco informaram também que a empresa já admite a denúncia anônima de assédio moral em seus canais internos, superando questão que foi motivo de polêmica na mesa com a Fenaban. No sistema adotado no Bradesco, o denunciante recebe um número, que serve para identificá-lo e para que ele acesse informações a respeito da apuração. Os bancários (as) reivindicaram ainda que seja assegurado tratamento psicológico ou psiquiátrico aos trabalhadores envolvidos em casos de assédio moral, com cobertura do Bradesco Saúde. Os trabalhadores cobraram ainda que o mesmo tratamento seja garantido para os bancários vítimas de assaltos ou sequestros. A empresa ficou de avaliar e dar resposta para os dois pontos na próxima reunião. Apesar do banco afirmar que a questão de gestão de recursos humanos é um dos itens na formação de seus gestores, o movimento sindical cobrou que os debates e orientações para coibir o assédio moral sejam tratada rotineiramente com os bancários.

Fonte c
Postado por em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!