Conferência Nacional dos Bancários

Bancários são contra reforma da Previdência que fará desigualdade aumentar

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
Bancários são contra reforma da Previdência que fará desigualdade aumentarNelson Ezídio

Resultados da Consulta Nacional dos Bancários foram apresentados na 21º Conferência Nacional dos Bancários

76% da categoria bancária é contra a Reforma da Previdência e 82% dos bancários acreditam que as mudanças farão a desigualdade social no Brasil aumentar. Estes foram os principais resultados da Consulta Nacional dos Bancários, apresentada na manhã de domingo, 4/8, no início dos trabalhos do último dia da 21º Conferência Nacional dos Bancários.

 

A pesquisa, realizada na base das 10 federações representadas pelo Comando Nacional dos Bancários, do início de abril ao final de maio, mostra que 79% discorda com a alteração que o governo propõe na Previdência Social, que, além de instituir a idade mínima, aumenta o tempo mínimo de contribuição para 20 anos e exige 40 anos de contribuição para receber o benefício integral. Outros 6% não souberam opinar.

 

O número é ainda maior quando o questionamento é sobre a redução dos valores dos benefícios para idosos pobres, 88% discordam e 6% não sabem opinar. Sobre a extinção do regime solidário e a implementação do regime de capitalização individual como modelo básico para a Previdência, 69% da categoria discordam e 16% não sabem opinar.

 

A maioria da categoria, 78%, também é contra o aumento da idade mínima e o tempo de contribuição para que as mulheres se aposentem.

 

"Esta Reforma não atinge os privilegiados, só a classe média e os mais pobres. Precisamos sim de uma reforma tributária para taxar as grandes fortunas, os bancos, o grande empresariado e distribua a renda retirando os impostos dos mais pobres.

 

No caso da categoria bancária, que hoje ainda consegue se aposentar com 50 ou 55 anos (mulher e homem) de idade, caso a reforma seja aprovada só conseguirá com 62 e 65 anos de idade (respectivamente), além de ter rebaixado o valor pelo novo cálculo e o aumento de anos de contribuição.

 

Atualmente calcula-se o benefício usando a média das 80% maiores remunerações, ou seja, as 20% menores são descartadas. Com a reforma, o valor integral será calculado usando a média de 100% dos salários, só para quem tiver 40 anos de contribuição", explica a presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região, Eneida Koury.

 

“Não defendemos reforma alguma. Defendemos a cobrança dos devedores e o fim da Desvinculação de 30% das Receitas da União (DRU) e da Seguridade Social para pagamento de juros aos bancos”, afirma Ricardo Saraiva Big, secretário
de Relações Internacionais da Intersindical.

 

Metas

Quando o tema da pergunta é a pressão pelo cumprimento de metas que leva muitos bancários ao adoecimento e, consequentemente, a fazer uso de medicação controlada, 54% dos que responderam conhecem alguém que já fez uso de medicação e 32% revelaram que já usaram.

 

Bancos públicos

Outra bandeira fundamental da categoria atualmente, a defesa dos bancos públicos é classificada como muito importante por 72% dos trabalhadores e como importante por 17%.

 

Fonte Com informações da Contraf e Seeb Santos
Postado por Comunicação SEEB Santos e Região em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!