Se Liga

Aumenta desemprego entre a população negra e mulheres

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Aumenta desemprego entre a população negra e mulheres

Somados, pretos e pardos, de acordo com a classificação do IBGE, eram mais de 64% dos desempregados; mão de obra feminina correspondia a 51%. Em seis anos, total fora do mercado quase dobrou.

O desemprego, que segue em alta pelo país, atinge ainda mais a população negra, segundo os dados do IBGE, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. No primeiro trimestre, os pardos (classificação usada pelo Instituto) eram 52,6% dos 13,7 milhões de desempregados no país e os pretos, 11,6%, somando 64,2% e mantendo tendência de alta – há seis meses, eram 63,7%.

 

# Direitos e empregos estão em jogo nesta Campanha Salarial 2018

 

Em igual período de 2012, eles correspondiam a 48,9% e 10,2%, respectivamente. Nessa mesma comparação, a participação dos brancos diminuiu de 40,2% para 35,2%.

 

Além disso, o total de desempregados quase dobrou nesse período. Passou de 7,6 milhões, no primeiro trimestre de 2012, para 13,7 milhões.

 

# Curta o Sindicato no Facebook

 

A taxa de desemprego dos brancos foi de 10,5%, abaixo da média nacional (13,1%). Já a de pretos e pardos ficou acima: 16% e 15,1% respectivamente. Nos três casos, houve crescimento em relação a 2012.

 

Segundo o IBGE, que divulgou na quinta-feira 17 mais informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, os pardos representavam 48,1% da população fora da força de trabalho. Os brancos eram 42,5% e os pretos, 8,4%.

 

# Não fique só, Fique Sócio!

 

As mulheres eram maioria (50,9%) dos desempregados. Isso aconteceu em quase todas as regiões – a exceção foi o Nordeste (47,3%). A taxa de desemprego foi bem maior entre a mão de obra feminina (15%) do que para os homens (11,6%). Elas também compõem a maior parte da população fora da força de trabalho (65,2%).

 

De acordo com o instituto, o rendimento médio do trabalho manteve-se estável, sendo estimado em R$ 2.169. O valor ficou próximo ao do último trimestre de 2017 (R$ 2.173) e foi igual ao do primeiro período do ano passado.

 

>> Cadastre-se no whatsapp do Sindicato: clique aqui (pelo celular) e informe banco onde trabalha e seu nome.

Fonte: Rede Brasil Atual, com edição da Redação SEEB SP
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!