Greve Geral

Para OAB-SP, reforma trabalhista, neste ambiente, é desonesto

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Para OAB-SP, reforma trabalhista, neste ambiente, é desonesto

Contrato de trabalho intermitente é uma das maldades criticadas pelo presidente da Comissão de Trabalho da Ordem em São Paulo, Eli Alves da Silva.

Para o presidente da Comissão de Trabalho da seção paulista da Ordem dos Advogados Brasil (OAB-SP), Eli Alves da Silva, a proposta de reforma trabalhista do governo Temer, que agora tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados, agrava ainda mais o desequilíbrio entre empregado e empregador.

Ele prevê que, com a retirada e flexibilização de direitos proposta na reforma, somada ao contexto de desemprego crescente, os trabalhadores terão dificuldade em fazer avançar qualquer tipo de conquista durante as negociações. "Uma reforma trabalhista, neste ambiente (de desemprego), é até desonesto", afirma Alves da Silva.

Como exemplo de proposta que prejudica o trabalhador, ele cita a criação do contrato de trabalho intermitente, quando o trabalhador fica à disposição da empresa 24 horas por dia, para ser utilizado a qualquer hora e sem carga diária fixa, ou mínima.

"O empregado vai ter de se deslocar da casa dele até o ambiente de trabalho para trabalhar um ou duas horas e retornar para casa, de acordo com o que for estipulado pelo empregador. Sem sombra de dúvida, essa é uma das situações que nós temos como prejudicial ao próprio trabalhador", explica o advogado.

O presidente da Comissão de Trabalho da OAB-SP afirma que não são as garantias previstas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que a proposta de reforma pretende alterar, que acarretam o desemprego e atual crise econômica. Para ele, o trabalhador está sendo usado como "bode expiatório" da crise.

Eli lembra, ainda, que até recentemente, o país viveu uma situação de quase pleno emprego, o que ocorria sob a mesma legislação trabalhista que agora é responsabilizada pela alta durante a crise. O menor índice de desemprego (4,3%, segundo o IBGE) foram registrados em dezembro de 2014.

Como único ponto positivo na reforma que beneficia o trabalhador, o advogado cita a criação de representação dos trabalhadores para cada empresa com mais de 200 funcionários. Todo o resto, segundo Eli, atende aos interesses apenas dos patrões.

Reaja
É preciso manter a pressão sobre os parlamentares para que eles votem contra as reformas da Previdência e trabalhista. Os Bancários e demais categorias devem enviar e-mails aos deputados dizendo que se votarem a favor não serão reeleitos.


É hora da reação!

OAB-SP: reforma trabalhista, neste ambiente, é desonesto

Fonte: SEEB SP
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!