TST nega liminar à Caixa e greve segue mais forte ainda em Brasília

O vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro João Oreste Dalazen, indeferiu no final da tarde desta sexta (16) a liminar para a Caixa que solicitava a declaração de abusividade da greve. O ministro marcou audiência de conciliação e instrução para a próxima quarta-feira, dia 21, às 9h. A assembleia dos trabalhadores da Caixa, realizada diante da filial no Setor Bancário Sul, decidiu manter a paralisação como resposta à falta de respeito da direção do banco em relação aos funcionários. Os bancários decidiram ainda desautorizar a Contec a representá-los durante o processo na Justiça. A Contraf-CUT é a representante da categoria durante a fase de negociação, mas a decisão de aceitar ou não uma possível nova proposta continuará sendo dos próprios bancários em assembleia. O processo de dissídio coletivo no TST foi ajuizado na quinta-feira pela Caixa, que tentou escapar de sua responsabilidade de construir um acordo com os bancários na mesa de negociações. Naquele mesmo dia, a resposta dos bancários, que entendem que o caminho para resolução dos conflitos trabalhistas é a negociação, foi a manutenção da greve nas principais e maiores bases do país, exigindo a retomada das conversações. Quando os processos de dissídio coletivo são instalados, a primeira etapa é a tentativa de conciliação entre as partes com mediação do ministro instrutor. Não havendo acordo ou não aceitação de eventual proposta formulada pelo Tribunal, o processo segue para julgamento pela Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do TST.

Fonte C
Postado por em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!