Perda de direitos

Trabalho Remoto na Caixa retira direitos dos empregados

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
Trabalho Remoto na Caixa retira direitos dos empregados

O que está por trás desse modelo é a invasão da privacidade do empregado, a transferência de custos operacionais para o trabalhador, aumento de sobrecarga de trabalho e a drástica perda de direitos. Sem falar que o ambiente familiar vira um inferno com cobranças de metas

Seguindo à risca a reforma trabalhista, a Caixa anunciou a adoção do modelo de trabalho remoto. A possibilidade de trabalhar em casa ou em outro município e país pode ser atraente no início. No entanto, o que está por trás desse modelo é a invasão da privacidade do empregado, a transferência de custos operacionais para o trabalhador, aumento de sobrecarga de trabalho e a drástica perda de direitos.

 

O novo modelo de trabalho foi anunciado pelo vice-presidente de Gestão de Pessoas da Caixa (Vipes), Roney Granemann durante o evento Nação Caixa. A princípio, cerca de 100 empregados serão incorporados ao trabalho remoto, que será implantado em unidades das vice-presidências de Habitação (VIHAB), Governo (VIGOV), Tecnologia (VITEC), Logística e Operações (VILOP), Gestão de Pessoas e na Diretoria Jurídica.

 

A proposta da Caixa é clara: ampliar a adesão de empregados para reduzir custos. De acordo com o banco, foram mapeados 28 mil empregados que podem trabalhar remotamente.  Caso 20% desses empregados façam a adesão ao projeto, o banco terá uma redução de custo anual de R$ 110 milhões. Ou seja, custos operacionais como telefone, água, manutenção de equipamentos e energia que serão jogados nas costas dos empregados.

 

Para implantar o projeto, uma pesada campanha de marketing sobre o trabalho remoto vem sendo feita pela Caixa, na tentativa de vender a ideia de mais autonomia, responsabilidade, foco, inovação. Mas bancários e bancárias devem ficar atentos: o trabalho remoto vem acompanhado de uma rotina perversa, com horas de trabalho intermináveis, cobrança por metas e perda de direitos.

 

“Com o trabalho remoto você perde o coletivo. As cobranças por metas serão individuais, o empregado terá que produzir mais sendo analisado individualmente, o salário será reduzido. O banco poderá retirar o auxílio-refeição sob a justificativa de que o bancário estará em casa. Todas as conquistas coletivas poderão se extinguir”, afirma Larissa Cunha, diretora do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e empregada da Caixa.

 

Saúde e privacidade

Durante anos, as empresas propagaram que os problemas pessoais deveriam ser deixados em casa. Agora, para reduzir custos e aumentar o lucro, querem promover uma verdadeira invasão de privacidade na vida dos trabalhadores com a adoção do modelo de trabalho remoto. Conciliar ambiente doméstico com trabalho pode adoecer mais do que o cotidiano do próprio ambiente bancário.

 

No trabalho remoto realizado em casa, o empregado terá que lidar com a alta intensidade no trabalho, o aumento de metas e a jornada de trabalho excessiva dentro de sua própria casa. A falta de divisão entre o trabalho e a vida privada pode trazer consequências nefastas para os trabalhadores.

 

“Trabalhar dentro de casa, com obrigações de cumprimento de metas, prestação de contas, horas intermináveis exigidas pelo banco podem prejudicar a vida familiar, a saúde de todos. Nossa casa deve ser para descansar, ter tranquilidade, ler, paz, higiene mental e não ao contrário, virar um inferno. Pra onde devemos correr depois, quando vier o esgotamento?”, finaliza Larissa.

Fonte Sindibancários/ES
Postado por Gustavo Mesquita em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!