Para refletir

Racismo é 'mimimi'?

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Racismo é

A partir de seis exemplos estatísticos, entenda as razões pelas quais a luta contra o racismo no Brasil é uma luta ainda por igualdade e direitos mínimos, e não vitimismo, como defendem setores conservadores

Hoje, no Brasil, movimentos que denunciam a divida histórica do país para com a sua população negra e defendem políticas afirmativas como cotas em universidades e concursos públicos são taxados como vitimistas, ou o vulgo “mimimi”, por setores conservadores da sociedade brasileira. “Eu nunca escravizei ninguém, que dívida é essa?” é uma das frases ditas por um candidato à Presidência, que ficaram famosas por traduzir o pensamento conservador de que o que fazem os movimentos que lutam contra o racismo é “mimimi vitimista”.

 

Porém, quando analisados os dados socioeconômicos brasileiros, verifica-se que a luta contra o racismo no Brasil é uma luta por  igualdade, por direitos mínimos, e não qualquer espécie de vitimismo. 

 

O Brasil - último país das Américas a abolir a escravidão, no qual a abolição protocolar deixou negros, ex-escravos, totalmente desassistidos, sem qualquer política de reparação ou mínima inserção social – “ostenta” dados que não deixam dúvidas de que a luta contra o racismo, por meio também de políticas afirmativas, não só tem um caminho longo pela frente, como também é fundamental na perspectiva de um país que se propõe a ser chamado de civilizado. 

 

Confira abaixo alguns dados que exemplificam o imenso abismo social ainda presente no Brasil: 

 

Igualdade salarial só em 2089

Apenas em 2089, brancos e negros terão renda equivalente no Brasil. A projeção é da pesquisa "A distância que nos une - Um retrato das Desigualdades Brasileiras", da ONG britânica Oxfam.Em média, os brasileiros brancos ganhavam, em 2015, o dobro do que os negros: R$1.589, ante R$ 898 mensais.

 

A conta é feita com base em dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), considerando rendimentos como salários, benefícios sociais, aposentadoria, aluguel de imóveis e aplicações financeiras, entre outros.

 

Ainda segundo o relatório, 67% dos negros no Brasil estão incluídos na parcela dos que recebem até 1,5 salário mínimo (cerca de R$1400). Entre os brancos, o índice fica em 45%.

 

Feminicídio de mulheres negras aumentou, das brancas caiu

O feminicídio, o assassinato de mulheres por sua condição de gênero, também atinge sobretudo mulheres negras. Entre 2003 e 2013, o número de mulheres negras assassinadas cresceu 54%, enquanto entre brancas caiu 10%. Os dados são do Mapa da Violência 2015, elaborado pela Faculdade Latino-Americana de Estudos Sociais. 

 

As mulheres negras também são mais vitimadas pela violência doméstica: 58,68%, de acordo com informações do Ligue 180 - Central de Atendimento à Mulher, de 2015. Elas também são mais atingidas pela violência obstétrica (65,4%) e pela mortalidade materna (53,6%), de acordo com dados do Ministério da Saúde e da Fiocruz.

 

Jovens e negros: as maiores vítimas da violência

Homens, jovens, negros e de baixa escolaridade são as principais vítimas de mortes violentas no País. De acordo com informações do Atlas da Violência 2017, elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a população negra corresponde a maioria (78,9%) dos 10% dos indivíduos com mais chances de serem vítimas de homicídios.

 

Atualmente, de cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras. Negros possuem chances 23,5% maiores de serem assassinados em relação a brasileiros de outras raças, já descontado o efeito da idade, escolaridade, do sexo, estado civil e bairro de residência.

 

Maioria dos presos

Mais da metade (61,6%) da população carcerária são pretos e pardos, revela o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen).

 

Na contramão do mundo, a taxa de aprisionamento no Brasil não está diminuindo. Entre 2004 e 2014, o índice cresceu 67%. A taxa de superlotação por aqui também é maior: 147% no Brasil, ante 102% nos Estados Unidos e 82% na Rússia.

 

Baixa representatividade no cinema e na literatura

Segundo pesquisa da Universidade de Brasília (UnB), só 10% dos livros brasileiros publicados entre 1965 e 2014 foram escritos por autores negros, A pesquisa também analisou os personagens retratados pela literatura nacional: 60% dos protagonistas são homens e 80% deles, brancos.

 

Já a pesquisa "A Cara do Cinema Nacional", da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), revelou que homens negros são só 2% dos diretores de filmes nacionais. Entre os roteiristas: só 4% são negros.

 

O levantamento da UERJ considerou as produções brasileiras que alcançaram as maiores bilheterias entre 2002 e 2014. Dentre os filmes analisados, 31% tinham no elenco atores negros, quase sempre interpretando papeis associados à pobreza e criminalidade.

 

Desemprego

A crise e o desemprego também atingem com mais força a população negra, que representa 63,7% dos desempregados. Com isso, a taxa de desocupação de pretos e pardos ficou em 14,6% - entre brancos, o índice é 9,9%. 

Fonte Seeb SP com Carta Capital
Postado por Fernando Diegues em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!