Parecer

Parecer do MPT é favorável à licença maternidade dupla a casal homoafetivo

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Parecer do MPT é favorável à licença maternidade dupla a casal homoafetivo

O texto orienta pelo direcionamento internacional dos direitos humanos e no entendimento do STF, que reconhece a união homoafetiva

O pleno do Tribunal Regional do Trabalho de Pernambuco (TRT-PE) julgou o recurso administrativo que permitiu a concessão de licença maternidade dupla, por ocasião da primeira gravidez de um casal de mulheres. O pedido, feito pela mãe que não gestou, havia sido negado, sendo a licença equiparada à de um pai (20 dias). Em razão do recurso, o caso foi analisado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em Pernambuco, que emitiu parecer favorável ao reconhecimento do direito da requerente.

 

O MPT se pronunciou no caso em 12 de abril, por meio da procuradora-chefe, Adriana Gondim. No documento, ela expõe o entendimento de que não existe uma lacuna legislativa na normatização dos direitos familiares e trabalhistas de casais do mesmo sexo. “Há, isto sim, um entendimento com efeito vinculante do Supremo Tribunal Federal (STF) que, embora ainda não integralmente contemplado pela legislação nacional, estabelece o reconhecimento da união homoafetiva, do qual derivam demais direitos de família”, disse.

 

O texto do parecer, além de orientar-se pelo direcionamento internacional dos direitos humanos, coloca que esse entendimento do STF nada mais é do que uma decorrência dos mandamentos constitucionais da dignidade da pessoa humana e da construção de uma sociedade livre, justa e solidária, sem preconceitos de qualquer espécie.

 

Além disso, ainda é feita menção ao fato de que a requerente, sendo mulher, segurada, casada, com filha nascida viva e capaz de amamentar (pela lactação induzida), deve também ser considerada como mãe da criança, tendo o direito à licença.

 

Precedente - No entendimento do MPT, o caso é emblemático, porque trata de uma decisão sobre uma problemática inédita, ao menos entre os julgados pela justiça do Trabalho em Pernambuco. “Como o princípio da isonomia estabelece que todos são iguais perante a lei, a decisão da justiça do Trabalho deixa determinado um paradigma que deverá ser seguido para casos semelhantes que cheguem ao judiciário a partir de agora, beneficiando casais homoafetivos de mulheres”, explica Adriana.

 

A requerente beneficiada é juíza do Trabalho, assim como sua esposa. No entanto, o julgado pode e deve ser usado como paradigma para qualquer tipo de vínculo de trabalho, sejam eles estatutários com ou celetistas.

Fonte MPT
Postado por Fernando Diegues em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!