Sobrecarga

'Os empregados que permanecem estão adoecendo', diz bancário da Caixa

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter

Número reduzido de empregados é um problema que ocorre em todas as áreas da Caixa e não apenas nas agências

“Os que ainda permanecem nas agências estão adoecendo”, com essa afirmação e com a expressão nítida de cansaço, empregado da Caixa relata a sobrecarga de trabalho diária em virtude do número reduzido de trabalhadores.

 

Ao entrar em qualquer unidade da Caixa é fácil perceber a demanda. Muitas vezes, uma quantidade enorme de pessoas aguarda pelo atendimento de um único empregado. “Em dia de pagamento do PIS, por exemplo, o cidadão espera mais de três horas”, diz um empregado.

 

Além dessa sobrecarga absurda, há alguns atendimentos que exigem mais tempo. “Há assistências que requer explicações detalhadas da operação, que toma mais tempo e que necessita de atenção especial. Quando a agência está cheia e acontece esse tipo de atendimento, somando ao número reduzido de empregados, vira um caos”, conta outro bancário.

 

O número reduzido de empregados é um problema que ocorre em todas as áreas da Caixa e não apenas nas agências

 

Mais empregados

Em reunião ocorrida em 26 de março, entre Comissão Executiva dos Empregados da Caixa e presidente do banco público, Pedro Guimarães, o gestor afirmou que tem autorização do governo para contratar e que deve manter o número de 87 mil empregados, porém informou também que haverá Programa de Desligamento Voluntário. O número atual de empregados no quadro da Caixa está em 84 mil.

 

Apesar do presidente ter falado em 87 mil empregados, a portaria mais recente do controlador – Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST) -, prevê limite de 90 mil empregados para o grupo Caixa.

 

Para os empregados as promessas de novas contratações não condizem com a realidade nas agências e muitos até dizem que isso já virou lenda urbana. “Na minha unidade há duas pessoas afastadas por doença grave e outros que aderiram ao PDVE. Os que ficaram tentam dar conta da demanda e das cobranças, que só aumentam. E essa promessa de contratar concursados, já nem acreditamos mais”, conta um bancário da Caixa.

 

Uma das consequências da falta de empregados está retratada no Anuário Estatístico da Previdência Social de 2014 que demonstra que ocorreram 681 afastamentos devido a transtornos mentais e outros 558 por distúrbios osteomusculares (LER/Dort). Situação que se agrava com os frequentes Programas de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVEs).

Fonte Apecef
Postado por Comunicação SEEB Santos e Região em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!