Risco ambiental

Lixão tóxico submerso em Cubatão traz riscos para Baixada Santista

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Lixão tóxico submerso em Cubatão traz riscos para Baixada Santista

Assine o abaixo-assinado contra a cava subaquática e compartilhe as informações sobre o assunto, que atinge toda a população da região

A população da Baixada Santista está em risco de, mais uma vez, sofrer as consequências de um “acidente” ambiental causado pelos interesses de empresas. Desta vez o problema é o uso de um grande buraco, chamado cava subaquática, onde serão colocados sedimentos quimicamente contaminados que podem se misturar no mar e se espalhar por toda a região. Segundo especialistas ambientais, entre os elementos há produtos cancerígenos.

 

Diversas entidades e movimentos, incluindo o Sindicato dos Bancários de Santos e Região, são contra a criação de cavas subaquáticas (Unidade de Disposição Confinada – UDC), e têm organizado manifestações, debates e acionado a justiça. Há ainda um abaixo-assinado na internet exigindo a retirada do lixo tóxico do local. As cavas são verdadeiros lixões químicos submarinos, cemitérios de compostos químicos tóxicos que afetarão todos e todas.

 

17 milhões de metros cúbicos

O grande buraco no Canal Piaçaguera fica de frente para a Ilha das Cobras, nas imediações do largo do Casqueiro, em Cubatão. Ele mede 400 metros de diâmetro e 25 metros de profundidade (aproximadamente 17 milhões de metros cúbicos).

 

A cava subaquática tem relação direta com a dragagem do canal do porto, cujo objetivo é aumentar a profundidade do canal para navegação de navios maiores. Porém, parte dos sedimentos retirados do fundo do Canal de Piaçaguera é contaminada por poluentes gerados pela produção industrial daquela região. A intenção é jogar o material dragado dentro da cava.

 

De acordo com laudo técnico assinado por dois engenheiros, um biólogo e um oceanógrafo, as irregularidades começam na expedição das licenças ambientais. Elas abrem caminho para o despejo de material “com altíssimas concentrações de poluentes tóxicos e carcinogênicos”.

 

O estudo aponta também que há “forte possibilidade de dispersão da UDC (cava) para a superfície d’água”, causando contaminação não só do mar, mas das áreas de mangue e as respectivas fauna e flora que compõem aquele ecossistema.

 

A análise conclui que ao deixar de buscar mecanismos para conservação e uso sustentável do ecossistema, as empresas envolvidas na implantação da cava estão “impondo de imediato um passivo ambiental e riscos associados irreversíveis”.

 

É muito importante ampliar a informação e mobilização da população sobre a questão da cava subaquática. É a saúde e a vida dos moradores da Baixada Santista, e das futuras gerações, que estão em jogo!

 

Acesse o Abaixo-assinado

Fonte Imprensa Seeb Santos e Região com Ecel Ambiental, Diário do Litoral e G1
Postado por Comunicação SEEB Santos e Região em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!