Assédio Moral

Itaú obriga Bancário a depor contra si mesmo

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Itaú obriga Bancário a depor contra si mesmo

Funcionário é chamado na auditoria para escrever carta admitindo erros e logo em seguida é demitido por justa causa. Sindicato orienta: os trabalhadores devem se recusar a fazer isso.

O Itaú está pressionando bancários a “confessarem” erros para depois demiti-los por justa causa. Esses trabalhadores são chamados na auditoria, que fica no Ceic, para redigir carta de próprio punho, ditada pelo representante do banco, admitindo ter realizado algo que vai contra a política oficial da instituição financeira. Logo em seguida, esse funcionário é desligado, e sem receber nenhuma verba indenizatória.

 

O movimento sindical orienta os trabalhadores a não redigirem a carta, ainda que o banco pressione. O bancário não deve escrever a carta de jeito nenhum. Ele deve se recusar e procurar imediatamente o Sindicato que vai orientá-lo, inclusive juridicamente. Até porque o banco não tem esse poder inquisitivo.

 

Os possíveis erros que os bancários possam ter cometido são resultado da própria política de imposição de metas aos trabalhadores. O problema é que quando esses erros se tornam reclamações de clientes a órgãos como o Banco Central, o Itaú tenta de eximir e jogar todo o problema sobre o trabalhador.

 

O que acontece é que o assédio moral e a pressão por metas é uma política generalizada no Itaú Unibanco. E essa forma de gestão, que não é assumida pela instituição, acaba levando o bancário a cometer erros e a passar por cima da política oficial do banco. A venda casada é um exemplo. Só que quando esses erros, que na grande maioria das vezes são estimulados pelos gestores, se transformam em reclamações de clientes, o Itaú tenta jogar toda culpa em cima do bancário, obrigando-o a assumir tudo sozinho, e ainda demite por justa causa. O trabalhador não deve escrever carta nenhuma.

 

Consequências


Quando o trabalhador se recusa a redigir a carta, o banco o afasta por um período de mais ou menos 15 dias. É o tempo que o Itaú leva para analisar se vai demitir o bancário por justa causa ou se será dispensa sem justa causa. De qualquer forma, quando o bancário é chamado para a auditoria e pressionado a escrever a carta, ele será demitido. Infelizmente o banco está fazendo isso para eliminar postos de trabalho, e não está revendo suas práticas para o atingimento de metas.

 

É muito importante que os bancários fiquem atentos às regras do banco ao que diz o código do consumidor. É importante que o trabalhador não desrespeite essa política ainda que esteja sendo pressionado pelo seu gestor a bater metas e a vender produtos. Paute-se pela ética e pelo que o banco declara como o correto.

 

# Bancária ofendida por supervisor do Itaú conquista vitória na justiça

Fonte: SEEB SP
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!