Ministério Público Federal

Governo rejeita recomendação do MPF de afastar cúpula da Caixa sob suspeita

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Governo rejeita recomendação do MPF de afastar cúpula da Caixa sob suspeita

Procuradores que atuam na Operação Greenfield pediram "troca imediata" dos vice-presidentes da Caixa, mas Planalto optou por manter os executivos

O governo Michel Temer decidiu manter os vice-presidentes da Caixa Econômica Federal que estão sob suspeitas, a despeito de recomendação feita no mês passado pelo Ministério Público Federal (MPF).

 

Os procuradores que atuam na Operação Greenfield haviam alegado em ofício encaminhado ao ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e ao presidente da Caixa , Gilberto Occhi, que as investigações das operações Sépsis , Cui Bono, A Origem e Patmos apontaram "marcante influência política nos processos internos" do banco estatal. Frente a esse quadro, o MPF pediu a "troca imediata de todos os vice-presidentes" da empresa.

 

"A existência de diversas figuras proeminentes na administração da CEF em casos investigados [...], bem como a perene influência política sobre funções que deveriam ser essencialmente técnicas, além do aparente comprometimento em defender atos irregulares passados, comprometem a isenção dos agentes, a acessibilidade de informações necessárias à apuração interna e externa pelos órgãos de controle e a confiabilidade nas operações firmadas e em estágio de contratação", escreveram os procuradores. 

 

As investigações contra esquema na Caixa

Entre os fatos que embasaram o pedido do MPF está a suposta atividade do ex-assessor de Temer Rodrigo Rocha Loures junto ao presidente da Caixa e ao vice-presidente Antônio Carlos Ferreira para "tratar de operações de interesse da Rodrimar", empresa que opera no Porto de Santos . Também consta no pedido de troca dos executivos registro de reunião entre Antônio Ferreira e o empresário Wesley Batista, da JBS, poucos dias após este firmar acordo de delação premiada.

 

As investigações de irregularidades envolvendo a cúpula da Caixa já renderam mandados de prisão contra os ex-presidentes da Câmara dos Deputados  Eduardo Cunha (que já estava preso por conta da Lava Jato) e Henrique Eduardo Alves, e do ex-ministro Geddel Vieira Lima – todos do MDB. 

 

Geddel já foi vice-presidente da Caixa, assim como Fábio Cleto, que fez acordo de colaboração com a Justiça e confessou ter praticado crimes durante o exercício do cargo. Segundo Cleto, ele se encontrava semanalmente com Eduardo Cunha para repassar ao então deputado informações sobre pedidos de financiamento feitos a fundos de investimentos geridos pelo banco estatal. Os recursos eram liberados mediante ao pagamento de propina aos executivos e políticos, ainda de acordo com o delator. 

 

Em nota, a Casa Civil do governo federal informou que respondeu à recomendação do MPF na semana passada alegando que "as medidas indicadas na recomendação da Procuradoria não estão inseridas nas atribuições institucionais" do órgão.

Fonte: Último Segundo - iG
Postado por Fernando Diegues em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!