Saúde

Fibromialgia: o que é, causas, sintomas e tratamentos

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Fibromialgia: o que é, causas, sintomas e tratamentos

Fibromialgia é uma síndrome comum, na qual a pessoa sente dores por todo o corpo durante longos períodos, com sensibilidade nas articulações, nos músculos, tendões e em outros tecidos moles. Junto com a dor, a fibromialgia também causa fadiga, distúrbios do sono, dores de cabeça, depressão e ansiedade.

De cada 10 pacientes com fibromialgia, sete a nove são mulheres. Não se sabe a razão porque isto acontece. Não parece haver uma relação com hormônios, pois a fibromialgia afeta as mulheres tanto antes quanto depois da menopausa.

 

A idade de aparecimento da fibromialgia é geralmente entre os 30 e 60 anos. Porém, existem casos em pessoas mais velhas e também em crianças e adolescentes. 

 

Causas

 

As causas da fibromialgia ainda são desconhecidas, mas existem vários fatores que estão frequentemente associados a esta síndrome. Confira:

 

Genética: fibromialgia é muito recorrente em pessoas da mesma família, o que pode ser um indicador de que existem algumas mutações genéticas capazes de causar a síndrome

 

Infecções por vírus e doenças autoimunes também podem estar envolvidas nas causas da fibromialgia

 

Distúrbio do sono, sedentarismo, ansiedade e depressão também podem estar ligados de alguma forma à síndrome

 

Trauma físico ou emocional: a fibromialgia às vezes pode ser desencadeada por um trauma físico, o estresse psicológico também pode desencadear a condição.

 

Fatores de risco

 

Os médicos alertam para alguns fatores de risco que facilitam o surgimento de fibromialgia. Confira:

 

Sexo: a síndrome é mais comum em mulheres do que em homens, em especial naquelas entre 20 e 50 anos

 

-Histórico familiar: a doença é recorrente entre membros de uma mesma família, indicando que talvez exista algum fator genético envolvido nas suas causas

 

Outros transtornos: se você tem artrite reumatóide ou lúpus é mais provável que você acaba desenvolvendo fibromialgia.

 

Confira os principais sintomas da fibromialgia:

 

Dor generalizada: a dor associada à fibromialgia é constantemente descrita como uma dor presente em diversas partes do corpo e que demoram pelo menos três meses para passar

 

Fadiga: pessoas portadores dessa síndrome frequentemente acordam já se sentindo cansadas, mesmo que tenham dormido por muitas horas. O sono também é constantemente interrompido por causa da dor, e muitos pacientes apresentam outros problemas relativos ao sono, a exemplo da apneia, insônia e síndrome das pernas inquietas

 

Dificuldades cognitivas: para os portadores de fibromialgia, é mais difícil se concentrar, prestar atenção e focar em atividades que demandem esforço mental

 

Dor de cabeça recorrente ou enxaqueca clássica, dor pélvica e dor abdominal sem causa identificada (Síndrome do intestino irritável)

 

Problemas de memória e de concentração

 

Dormência e formigamento nas mãos e nos pés

 

Palpitações

 

Redução na capacidade de se exercitar.

 

Principais pontos de dor da fibromialgia

 

As dores de origem emocional atingem principalmente o sistema musculoesquelético do paciente que apresenta fibromialgia e são representadas pelos seguintes pontos dolorosos:

 

Região da coluna cervical

 

Coluna torácica

 

Cotovelos

 

Nádegas

 

Bacia

 

Joelhos.

 

Fibromialgia: o que é, causas, sintomas e tratamentos

 

Buscando ajuda médica

 

Procura um médico se você começar a sentir fortes dores no corpo, tendo a sensação de que ela pode ser sentida “nos ossos” ou “na carne” ou ao redor das articulações.

 

Aproveite a consulta e tire todas as dúvidas que você tiver. Lembre-se também de fazer uma descrição completa de seus sintomas. Isso ajudará o médico a fazer o diagnóstico da fibromialgia

 

Especialistas que podem diagnosticar a fibromialgia são:

 

Clínico geral

 

Reumatologista.

 

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

 

Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram

 

Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade

 

Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

 

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

 

Quando os sintomas começaram a aparecer?

 

Existe algo que parece melhorar ou piorar seus sintomas?

 

Que articulações são afetadas?

 

Seus sintomas interferem nas tarefas diárias?

 

Você já foi diagnosticado com algum outro problema de saúde?

 

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para fibromialgia, algumas perguntas básicas incluem:

 

Quais exames serão necessários para fazer o diagnóstico?

 

Fibromialgia tem cura?

 

A doença vai alterar muito meu estilo de vida, meu cotidiano e meus hábitos?

 

Quais são os efeitos colaterais do tratamento?

 

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

 

Diagnóstico de Fibromialgia

 

O diagnóstico da fibromialgia é feito clinicamente (por meio da história dos sintomas e do exame físico) Não existem testes laboratoriais que possam realizar o diagnóstico, mas o médico pode solicitar exames de sangue para que outras doenças, com sintomas e características parecidos, sejam descartadas entre os possíveis diagnósticos.

 

Os critérios de diagnóstico da fibromialgia são:

 

 

Dor provocada pela palpação de pontos dolorosos específicos. A palpação deve ser feita com a aplicação de força de 4 kg. Um resultado positivo requer que a palpação seja dolorosa

 

Deve haver uma história de dor generalizada durante, pelo menos, 3 meses. A dor é considerada generalizada quando os pacientes têm dor no lado esquerdo e direito do corpo, acima e abaixo da cintura.

 

Tratamento de Fibromialgia

 

O tratamento de fibromialgia é mais eficaz quando são unidos medicamentos e cuidados não medicamentosos. O foco é evitar a incapacidade física, minimizar os sintomas e melhorar a saúde de modo geral.

 

O tratamento pode envolver:

 

Fisioterapia

 

Programa de exercícios e preparo físico

 

Métodos para alívio de estresse, incluindo massagem leve e técnicas de relaxamento

 

Terapia cognitivo comportamental.

 

Existem várias classes de medicamentos que são utilizados em conjunto com o tratamento não medicamentoso. As drogas mais utilizadas são analgésicos de ação central, incluindo algumas drogas antidepressivas e antiepilépticas que têm esta ação analgésica. Medicamentos para melhorarem o padrão do sono e miorrelaxantes também são, frequentemente, utilizados isoladamente ou em conjunto com medicamentos analgésicos.

 

A terapia cognitivo-comportamental é uma parte importante do tratamento. Com ela, você aprenderá a:

 

Lidar com pensamentos negativos

 

Manter um diário de seus sintomas e dores

 

Reconhecer o que agrava seus sintomas

 

Buscar praticar atividades agradáveis

 

Estabelecer limites.

 

Os grupos de apoio também podem ser úteis.

 

Entre outras recomendações estão:

 

Seguir uma dieta bem balanceada

 

Evitar cafeína

 

Manter uma boa rotina de descanso para melhorar a qualidade do sono

 

Acupressão e acupuntura.

 

Os casos graves de fibromialgia podem ser encaminhados a uma clínica especializada em dor.

 

Medicamentos para Fibromialgia

 

Entre os medicamentos mais usados para o tratamento de fibromialgia, estão antidepressivos tricíclicos em doses baixas (administrados em doses inferiores às usadas em casos de depressão), relaxantes musculares, anti-inflamatórios não-hormonais, analgésicos comuns e opioides, que podem ser utilizados na exacerbação da dor por curtos períodos de tempo. Veja alguns remédios utilizados:

 

Alginac

 

Ciclobenzaprina

 

Cymbalta

 

Dual

 

Lyrica

 

Miosan

 

Mirtax

 

Musculare

 

Nimesulida.

 

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

 

Fibromialgia tem cura?

 

A medicina ainda não desenvolveu um método para curar a fibromialgia. Contudo, o prognóstico do fibromialgia é melhor hoje do que nunca. Com o tratamento indicado é possível ter o controle dos sintomas.

 

Complicações possíveis

 

A dor e a falta de sono associadas à fibromialgia podem interferir na sua capacidade de funcionar em casa ou no trabalho. A frustração de lidar com uma condição muitas vezes incompreendida também pode resultar em depressão e ansiedade relacionada à saúde.

 

Convivendo/ Prognóstico

 

A fibromialgia é uma síndrome de longa duração com flutuações frequentes na intensidade da dor. Seguindo o tratamento corretamente e tomando os devidos cuidados dentro de casa, os sintomas tendem a melhorar. Mais importante ainda: com os devidos cuidados, a pessoa com fibromialgia não perde sua capacidade funcional.

 

Em casa, você pode tomar algumas medidas para ajudar no tratamento e a conviver melhor com a doença. Veja exemplos:

 

Reduza o estresse diário

 

Durma o suficiente para estar descansado no dia seguinte

 

Exercite-se regularmente

 

Mantenha um mesmo ritmo de vida

 

Preserve um estilo de vida saudável.

 

Fibromialgia pode ser confundida com depressão?

 

As alterações do humor, como irritabilidade e tristeza, estão presentes em até 70% dos pacientes. A depressão aparece em até 30% dos casos. Os sintomas da depressão podem ser confundidos com os da fibromialgia. É necessário que o médico que acompanhe o paciente faça o diagnóstico precoce e inicie o mais rápido possível o tratamento da depressão. A depressão piora os sintomas da fibromialgia, assim como a fibromialgia também piora os sintomas da depressão.

 

Quem tem fibromialgia pode fazer exercícios?

 

Os pacientes que têm fibromialgia devem fazer exercício físico, principalmente o condicionamento aeróbico que proporciona os melhores resultados a médio e longo prazos. Os pacientes referem melhora dos sintomas dolorosos e da fadiga. A introdução de programas de exercícios físicos, seja no solo ou na água, têm apresentado sucesso no alívio dos sintomas.

 

Prevenção

 

Não há formas de prevenção para a fibromialgia. Contudo, o tratamento precoce adequado pode ajudar a evitar danos adicionais.

 

>> Cadastre-se no whatsapp do Sindicato: clique aqui (pelo celular) e informe o banco onde trabalha e seu nome.

Fonte Minha Vida
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!