CGPAR 23

Cassi: Banco do Brasil dissimula custos da sua proposta

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Cassi: Banco do Brasil dissimula custos da sua proposta

Empresa pública lança simulador, mas “esquece” de informar que diminuirá o subsídio ao dependente e que a correção dessas mensalidades será feita pelos exorbitantes valores de mercado; movimento sindical idealizou proposta para sustentabilidade da caixa de assistência que não retira nenhum direito.

O Banco do Brasil divulgou um simulador para os funcionários verificaram quanto a mensalidade da Cassi irá custar aos associados se a proposta defendida pelo banco for aprovada. Mas o banco não informa que os atuais subsídios aos dependentes serão extintos e suas mensalidades serão corrigidas pelos valores de mercado, sempre muito acima da inflação.

 

“Na minha simulação, minha Cassi vai dos atuais 3% para 6,5% do salário, um aumento absurdo”, afirma um bancário.

 

# Bancários e bancárias da Baixada rejeitam proposta apresentada pela Fenaban!

 

O Banco do Brasil está disputando segmentos de público para aprovar sua proposta, trabalhando com a ideia de tentar convencer aqueles que ainda não tem filhos a votarem com a patrocinadora. Para isso, está criando a divisão entre o corpo social e fomentando o individualismo entre o funcionalismo.

 

Dentre outros ataques aos associados, a proposta defendida pelo Banco do Brasil para a Cassi exclui os futuros aposentados da cobertura da caixa de assistência; eleva custos para os atuais aposentados, e também da ativa por meio da cobrança para cada dependente ao invés de grupo familiar; e diminui a participação do banco no custeio da caixa de assistência.

 

A proposta precisa da aprovação de dois terços do corpo social e será colocada em votação nos próximos meses.

 

Diretores eleitos traem os associados

 

O movimento sindical vem denunciando a traição dos membros eleitos da Cassi, Luiz Satoru (diretor) e Sergio Faraco (conselheiro), que na reunião do Conselho Deliberativo votaram a favor da proposta defendida pelo banco, baseada na resolução 23 da CGPAR (Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União), publicada em janeiro. A CGPAR é um órgão submetido ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, portanto, submetida ao governo Temer.

 

Trabalhadores apresentam proposta que não retira direitos

 

As entidades representativas dos trabalhadores também apresentaram proposta para a sustentabilidade da Cassi que busca garantir a manutenção de direitos e a cobertura para funcionários da ativa, aposentados e dependentes.

 

A proposta preserva o princípio da solidariedade, segundo o qual os associados contribuem de forma proporcional ao salário, independentemente da idade ou condição de saúde; defende a manutenção da Cassi sob o comando dos representantes dos associados, sendo gerida de forma paritária; dentre outros pontos.

 

# Lucro do BB chega a R$ 6,3 bi no primeiro semestre

 

Quanto à questão financeira, o documento propõe uma receita operacional nova de R$ 862,5 milhões/ano – o que representa R$ 4,3 bilhões entre 2019-23 – para reequilibrar liquidez e margem de solvência, fazer os investimentos necessários e ampliar o modelo assistencial.

 

Essa verba viria de um aditivo ao Memorando de Entendimentos, definindo 1,5% para o corpo social, que corresponderia R$ 345 milhões para os associados ao ano, ou seja, R$ 1,725 bilhão de 2019 a 2023; e 1,5 vezes esse valor a ser pago pelo banco, representando R$ 517 milhões ao ano, o que dá R$ 2,587 bilhões no mesmo período.

 

# Na demissão não assine nada! Procure o Sindicato imediatamente!

 

Essa alteração sustenta a mesma metodologia contábil e legal que o banco construiu em 2016, inclusive dentro dos parâmetros da CVM695, e coloca de lado a CGPAR 23, que tanto o banco quanto a chapa Mais Cassi querem impor para os associados.

 

Os bancários devem manifestar seu espírito de solidariedade e união, e ter a consciência de que se a proposta do banco for aprovada, seus colegas que têm dependentes e os aposentados enfrentarão muito mais gastos, sem contar os futuros funcionários que simplesmente estarão excluídos da Cassi quando se aposentarem.

 

Ato em Brasília contra CGPAR 23

 

No dia 15 de agosto os trabalhadores farão protesto em Brasília contra as resoluções 22 e 23 da CGPAR que aniquilam os planos de saúde de empresas públicas, e em defesa dos bancos públicos.

 

>> Cadastre-se no whatsapp do Sindicato: clique aqui (pelo celular) e informe banco onde trabalha e seu nome.

Fonte SEEB SP
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!