Campanha Salarial 2010: Bancários e banqueiros retomam debate do programa sobre assédio moral em 02/09

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
Campanha Salarial 2010: Bancários e banqueiros retomam debate do programa sobre assédio moral em 02/09

O Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban retomaram em 01/09 o debate sobre o Programa de Prevenção de Conflitos no Ambiente do Trabalho, que tem como objetivo coibir o assédio moral e outras formas de violência psicológica dentro dos bancos. O debate do citado programa avançou hoje, porém não se chegou a uma conclusão final. Hoje, 2 de setembro, o programa abre o segundo dia da segunda rodada, quando serão negociadas também as cláusulas sobre saúde e segurança. Entre outros pontos, fim das metas abusivas, isonomia de direitos entre trabalhadores afastados e da ativa, adicional de risco de vida, e assistência psicológica às vítimas de assaltos, sequestros e extorsões. Banco do Brasil – Hoje, dia 2, em Brasília, tem início o processo de negociação da pauta específica com o Banco do Brasil. Caixa Federal - Na sexta-feira, dia 3, em São Paulo, o Comando se reúne com a Caixa Federal. Na pauta saúde e condições de trabalho. REIVINDICAÇÕES DA CAMPANHA SALARIAL 2010 A 12ª Conferência Nacional dos Bancários teve a participação de 628 delegados de 25 Estados e do DF, eleitos nas conferências regionais. O nosso Sindicato enviou quatro representantes. Na Conferência foram deliberadas pautas de reivindicações para a Campanha Salarial 2010 como: preservação e ampliação do emprego, mais contratações, o fim das metas e do assédio moral, Estatização do Sistema Financeiro, Piso do Dieese (R$ 2.157,88), mais saúde e melhores condições de trabalho e de segurança, Fim do Correspondente Bancário, PLR de 3 salários + R$ 4.000, reajuste salarial de 11%, apesar de a Intersindical, da qual o Sindicato dos Bancários toma parte, defendeu o índice de 17,96% de reajuste com reposição salarial (que incluía parte das perdas dos últimos anos), entre outras. Veja abaixo as principais resoluções da 12ª Conferência Nacional dos Bancários: Emprego - Mais contratações - Ampliar a contratação de mulheres, negros e pessoas com deficiência, garantindo igualdade de oportunidades - Garantia de emprego - Qualificação e requalificação profissional Remuneração e Previdência - Reajuste salarial de 11% - Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de três salários mais R$ 4 mil para cada funcionário - Piso salarial no valor do salário mínimo do Dieese (R$ 2.157,88) - Elevação do auxílio-refeição, cesta-alimentação, 13ª cesta-alimentação e auxílio-creche/babá para o valor de um salário mínimo para cada item - Previdência Complementar para todos os bancários Sistema Financeiro - Regulamentação do artigo 192 da Constituição Federal - Regulamentação da remuneração dos executivos - Democratização e ampliação do Conselho Monetário Nacional (CMN) - Estatização e regulamentação do papel social dos bancos - Fim dos correspondentes bancários Saúde do Trabalhador - Fim das metas - Combate ao assédio moral - Proteção contra os riscos de acidente de trabalho ou doença ocupacional - Programa de Reabilitação Profissional - Prevenção de adoecimento e promoção da saúde da mulher - Assistência médica, hospitalar, odontológica e medicamentosa Segurança Bancária - Assistência médica e psicológica às vítimas de assaltos, sequestros ou extorsões - Ampliação dos equipamento de prevenção - Adicional de risco de vida de 30% para agências, postos e tesouraria - Proibição de transporte de valores e guarda das chaves pelos bancários - Estabilidade provisória para vitimas de assaltos, sequestros e extorsões Fusões de bancos violentam bancários Na última década os grandes bancos (Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander) compraram a Nossa Caixa, Unibanco, Real, entre outros e os únicos que perderam com isto foram os bancários, que estão trabalhando em condições desumanas. Faltam funcionários, mas os cinco maiores bancos brasileiros (Itaú, Banco do Brasil, Bradesco, Santander e Caixa Econômica Federal) detêm quase 90% dos ativos do sistema financeiro gerando uma das maiores concentrações de renda do mundo. Com as fusões todos os bancários sofrem rebaixamento de salários, acúmulo de funções, assediados moralmente para venderem de qualquer forma produtos aos clientes e atingirem metas de até 200%, ameaças constantes de demissão, extrapolação da jornada, falta de segurança, perdas de direitos, aumento das doenças ocupacionais, planos de saúde incompatíveis, trabalham em agências transformadas em canteiros de obras e ainda faltam planejamento nas migrações e treinamento por parte dos bancos incorporadores, para adequar os novos funcionários aos ritmos de trabalho diferenciados. As fusões transformaram as agências e a vida dos bancários num verdadeiro inferno. Os números do Dieese e do Sindicato comprovam: Redução da categoria Número de Bancários (as) no País em 1988 Aproximadamente 800 mil Número de Bancários (as) no País em 2009 Aproximadamente 360 mil Número de bancários na Baixada Santista em 1988 7.380 Número de bancários na Baixada Santista em 2009 3.461 Resultado: quase 60% perdeu o emprego e as doenças ocupacionais psicológicas e físicas atingiram rapidamente a categoria, jornada de trabalho prolongada sem pagamento de horas-extras, redução da qualidade de vida e até mortes por suicídio. Enquanto os lucros se multiplicam: Lucro total em 2009 O lucro dos 50 maiores bancos chegou a cifra estratosférica de R$ 37 bilhões e 404 milhões. O patrimônio líquido obtido com a força de trabalho dos bancários (as) é de R$ 257 bilhões. Por exemplo, o lucro dois maiores bancos privados do país foram: O Itaú e o Bradesco em 1999 R$ 1.092 bilhão de lucros líquidos O Itaú e o Bradesco em 2009 Mais de R$ 18 bilhões de lucros líquidos O desemprego na categoria continua: Em 2009, no Brasil, foram contratados 1.750.000 trabalhadores, entretanto na categoria bancária houve um saldo negativo de 621. E os salários são rebaixados com rotatividade: Em 15 anos 75% da categoria foi trocada Salários - Média salarial dos bancários em 2001 R$ 4.442,00 - Média salarial dos bancários em 2009 R$ 4.005,00 Resultado: cerca de 10% de perdas salariais nos últimos oito anos. Obs.: nesta média salarial são computados todas as verbas salariais como PLRs, gratificações e outras.

Fonte S
Postado por em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!