Só pensam em lucro

Bancos já eliminaram 1.741 postos de trabalho em 2018

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Bancos já eliminaram 1.741 postos de trabalho em 2018

Entre janeiro e setembro, média dos salários dos admitidos correspondeu a apenas 65% do que recebiam os desligados

Entre janeiro e setembro deste ano, os bancos já eliminaram 1.741 postos de trabalho em todo o país, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. Ao todo, foram 22.284 admissões e 24.025 desligamentos nos nove primeiros meses de 2018.

 

Os bancos múltiplos com carteira comercial (entre eles Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Banco do Brasil) foram responsáveis pelo fechamento de 870 postos no período. A Caixa, por sua vez, eliminou 1.021 vagas de janeiro a setembro. Juntos, estes cinco bancos empregam cerca de 90% dos bancários no país e lucraram, somente no primeiro semestre, R$ 41,9 bilhões, crescimento de 17,8% em relação ao mesmo período de 2017.

 

O saldo negativo de contratações contrasta com o lucro sempre crescente dos bancos. Itaú, Santander, Bradesco, Banco do Brasil e Caixa, que já divulgaram seus balanços semestrais, apresentaram resultados bem acima do que tiveram no mesmo período de 2017, ano em que já tiveram lucros recordes. Não existe qualquer justificativa para esse número de cortes. Como concessões públicas, os bancos deveriam ter responsabilidade social.

 

Rotatividade

Além de economizar com o corte de postos de trabalho, os bancos também encontraram na rotatividade uma forma de reduzir a remuneração média no setor e maximizar ganhos. De janeiro a setembro, os bancários admitidos recebiam, em média, R$ 4.272, enquanto desligados tinham remuneração média de R$ 6.525. Ou seja, a remuneração dos admitidos correspondeu a apenas 65% do salário médio dos que deixaram o setor.

 

Desigualdade entre homens e mulheres

Os dados do Caged também revelam a desigualdade de gênero na remuneração do trabalhador bancário. As 10.726 mulheres admitidas no setor entre janeiro e setembro recebem, em média, R$ 3.587, valor que corresponde a 73% da remuneração média dos 11.558 homens admitidos (R$ 4.907) no mesmo período.

 

Entre os desligados, a desigualdade de gênero também se revela. As 11.900 mulheres desligadas dos bancos recebiam, em média, R$ 5.585, 75% da remuneração média dos 12.125 homens (R$ 7.449) desligados entre janeiro e setembro.

 

Na propaganda dos bancos tudo é lindo e o respeito e o empoderamento das mulheres são constantemente mencionados. Porém, na vida real, os dados do Caged mostram que mulheres entram no setor ganhando menos que os homens e, uma vez dentro, possuem maiores obstáculos para subirem na carreira. A igualdade de oportunidades no setor é uma luta histórica e fundamental.

Fonte Seeb SP
Postado por Fernando Diegues em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!