Se Liga

Banco do Brasil restringe divulgação de condenação por assédio

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
Banco do Brasil restringe divulgação de condenação por assédioFernando Diegues

Justiça ordenou que a instituição desse publicidade interna geral à sentença de indenização coletiva, mas aviso ficou restrito a uma divisão

Condenado a pagar indenização coletiva de R$ 600 mil por diversos casos de assédio, o Banco do Brasil também foi sentenciado a divulgar os termos da decisão para todos os funcionários, mas, segundo denúncia recebida pelo Metrópoles, só o fez na rede interna da Divisão de Ética e Ouvidoria Interna (Dipes). A condenação foi imposta pela 7ª Vara do Trabalho em Brasília e confirmada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (DF/TO).

 

As acusações envolvem, de acordo com a manifestação do Ministério Público do Trabalho (MPT) no processo, casos tão díspares quanto “retaliação a grevistas, descomissionamento como forma de punição pelo ingresso de ação judicial, isolamento de empregado portador de HIV, interferência na licença-maternidade da empregada dias após o parto, entre outras”. As investigações começaram após denúncia de comportamento abusivo de uma gerente do banco em Brasília.

 

Inicialmente, a decisão da 7ª Vara do Trabalho de Brasília não considerava ter ficado comprovado o assédio generalizado, mas o MPT recorreu ao TRT apontando oito casos em diversos estados e contestando as medidas que o banco alegava ter tomado até então. O dinheiro deverá ser depositado no Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

 

O banco ainda recorre da decisão, que, além de determinar a indenização e a divulgação interna da sentença, estipula que a empresa é obrigada a constituir uma comissão “para fins de recebimento e apuração de denúncias, investigação, prevenção e saneamento de práticas de assédio moral, com preservação de sigilo da fonte”.

 

No despacho interno, o banco divulga os termos da decisão e pontua, em seguida, que “não compactua com qualquer prática de assédio e, antes do trânsito em julgado do processo em referência, vem adotando políticas éticas e de combate a toda forma de assédio, preconceito e discriminação”.

 

Como exemplo das medidas tomadas, o banco cita a existência de uma ouvidoria interna, oferta de cursos, criação de comitês regionais de ética, de um Código de Ética e normas de conduta, “com adesão pelos funcionários e renovação periódica”.

 

A empresa também destaca que cursos de aplicação das normas éticas se tornaram, “por decisão do Conselho Diretor”, pré-requisito para que funcionários pleiteiem promoções internas, e cita o Prêmio de Ouvidorias Brasil de 2017, da Associação Brasileira das Relações Empresa Cliente (Abrarec).

 

Outro lado


Em resposta ao Metrópoles, a assessoria do banco informou que, em um termo de conclusão, declarou cumpridas “todas as obrigações pelo Banco do Brasil, inclusive após expressa concordância do Ministério Público do Trabalho, com a consequente determinação judicial de extinção da execução”.

 

* Divulgacao Da Decisao Judicial

 

>> Cadastre-se no whatsapp do Sindicato: clique aqui (pelo celular) e informe banco onde trabalha e seu nome

 

 

Escrito por: Lilian Tahan e Bruna Aidar
Fonte Metrópoles
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!