Campanha Salarial 2018

Bancários vão à luta por seus direitos na Campanha Salarial

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Bancários vão à luta por seus direitos na Campanha Salarial

Nos dias 08, 09 e 10 de junho a categoria bancária, dos bancos públicos e privados, realizará a 20ª Conferência Nacional dos Bancários. A atividade tem como objetivo debater e definir estratégia de luta para garantir os direitos, o emprego, a defesa da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) e dos bancos públicos e privados

 

“A reforma Trabalhista traz o negociado sobre o legislado, isso significa que direitos antes garantidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), agora podem ser rebaixados. Além disso, a partir de 1º de setembro (data-base da categoria) todos os direitos contidos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) estão suspensos pelo fim da ULTRATIVIDADE que renovava automaticamente as cláusulas sociais, o que dá a faca e o queijo na mão do patrão. Os bancos poderão cortar tíquetes, plano de saúde, PLR para pressionar pelo fim da greve e impor corte de direitos no Acordo Coletivo”, afirma Eneida Koury, presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região. A greve pode ter início antes de setembro, para pressionar bancos a prorrogar e garantir os direitos.

 

Nesta Conferência, um espaço de importância fundamental para a organização dos bancários em todo o país, é esperado um público de 696 delegados, em especial num período de ataque aos direitos trabalhistas e ameaça de privatização dos bancos públicos (Caixa e Banco do Brasil). A tarefa da Conferência é produzir uma minuta com os termos das reivindicações para o próximo período, onde se destacam: a luta pela garantia do emprego no setor, a manutenção dos direitos adquiridos, os acordos estabelecidos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. Estarão presentes funcionários das principais instituições bancárias (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Bradesco, Santander, entre outros).

Somente com Mobilização você defenderá seu salário, PLR e emprego!

A validade da CCT Nacional dos bancários termina no dia 31 de agosto e a categoria antecipou a Campanha Nacional Unificada 2018 no intuito de criar as condições para a defesa dos direitos. Com o desmonte da legislação trabalhista ocorrido no ano passado, a qual extinguiu o princípio da ultratividade – instrumento jurídico  que garante a validade das cláusulas dos acordos até a assinatura de um próximo – colocaram-se em risco diversas conquistas da última convenção, firmada em 2016.

 

A Conferência Nacional discute pautas específicas dos trabalhadores do setor: estratégias para a defesa dos bancos públicos (Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) frente ameaças de privatização e orientação das atividades do setor. Estas devem estar a serviços dos interesses de desenvolvimento do país, financiando a produção e a geração de empregos. Mas para além dessa pauta setorial, também será debatido o papel que a categoria terá que desempenhar no processo eleitoral. Debater este último é de vital importância, pois os mesmos partidos políticos e candidatos que, romperam com a democracia e deram o golpe em 2016, também foram os responsáveis pelos ataques desferidos contra a classe trabalhadora via reforma trabalhista.

 

Bancários vão lutar contra:

- A diminuição de salário;

- O fim da PLR;

- Nas negociações individuais o banqueiro impor seus interesses;

- Perder sábado, domingo e feriado livre;

- A extinção da jornada de 6 horas e ter incluída a jornada de 12h;

- A diminuição do horário de almoço para 30 minutos na jornada de 8h;

- A imposição de datas para parcelar férias em 3 vezes;

- A perda do amparo da convenção coletiva e das leis da CLT caso negocie individualmente;

- O rodízio de trabalhadores com demissões em massa;

- A contratação terceirizada, a possibilidade do fim do FGTS e da contribuição previdenciária;

- As dificuldades para recorrer à justiça do trabalho;

- A pejotização, terceirização ou quarteirização;

- A rescisão de contrato sem auxílio desemprego;

- A retirada da 7ª e 8ª horas.

- A privatização dos bancos públicos!

Fonte: Comunicação do SEEB de Santos e Região com Intersindical
Postado por Gustavo Mesquita em Notícias
Atualizado em: 06 de junho de 2018

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!