Dia do Basta!

Bancários da Baixada protestam na Av. Paulista

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Bancários da Baixada protestam na Av. Paulista

Cerca de 10 mil na Av Paulista no Dia do Basta

Bancários da Baixada Santista participaram, com a Intersindical - Central da Classe Trabalhadora, outras centrais e sindicatos, do Dia do Basta, nesta sexta, 10.

A manifestação aconteceu na Av. Paulista, em São Paulo, e reuniu aproximadamente 10 mil pessoas na frente da Fiesp, uma das apoiadoras do golpe e do ilegítimo governo Temer.

Os trabalhadores e trabalhadoras caminharam pela Avenida Paulista até o prédio da Petrobras. Durante o ato, foram denunciados os diversos ataques e retiradas de direitos contra a classe trabalhadora.

 

Desemprego

As pesquisas recentes apontam que falta emprego para mais de 27 milhões de pessoas. Esses números, no entanto, são incapazes de revelar o drama vivido por quem está desempregado. As estatísticas também não revelam a insegurança daquelas pessoas que estão empregadas, mas convivem o medo de perder o emprego.

Importante ressaltar que o Brasil é campeão mundial em rotatividade no emprego, fazendo com que muitos alternem um período com emprego, outro vivendo de bicos e meses sem nenhuma ocupação remunerada.

Apesar de o desemprego preocupar a maioria da população, ele é funcional para as grandes empresas. Quanto maior é o desemprego, menor são os salários e direitos dos trabalhadores, pois as empresas aproveitam para reduzir a remuneração e precarizar a contratação. Com a aprovação da deforma trabalhista, essa situação se agravou, pois agora as empresas contam com uma infinidade de novas formas de contratar “funcionários baratos”, como o contrato intermitente, temporário, falso autônomo, terceirizados, PJs, MEI etc.

O desemprego ou a ocupação precária geram uma infinidade de consequências graves para a população, como dificuldade de pagar as contas, principalmente o aluguel e a alimentação, conflitos familiares.  Gera, também, consequências nem sempre visíveis, como medo, insegurança,depressão e motiva, inclusive muitos suicídios, como apontam vários estudos.

 

População negra, mulheres, LGBT, jovens são mais afetados

Se os bilionários ganham com o desemprego de milhões, existem grupos no interior da classe trabalhadora que são ainda mais atingidos que os demais setores da nossa classe. Segundo a PNAD do 1º trimestre de 2018, o número de pessoas sem ocupação remunerada é de 2,2 milhões de homens não negros, enquanto atinge 4,1 milhões de negros. Entre as mulheres não negras, são 2,5 milhões, enquanto o número de mulheres negras atinge 4,2 milhões sem ocupação remunerada.

Os levantamentos do IBGE mostram que 54% dos que procuram emprego há mais de um ano são de pessoas na faixa de 14 a 29 anos. A população LGBT e idosa compõe, também, os grupos mais afetados pelo drama do desemprego e da precarização do trabalho.  

 

Eleições

Além disso, a classe trabalhadora precisa participar ativamente da política. A eleição deve servir para debater a revogação de todos os retrocessos, como a deforma trabalhista, a terceirização e a Emenda 95.

 

Quem votou, não volta!

As organizações da classe trabalhadora vão, também, intensificar a campanha contrária aos deputados e senadores que aprovaram os retrocessos. Quem votou a favor da reforma trabalhista, por exemplo, nunca mais terá o voto do povo trabalhador.

Fonte: SEEB Santos e Intersindical
Postado por Comunicação SEEB Santos e Região em Notícias
Atualizado em: 13 de agosto de 2018

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!