Privatização

A luta pelo BB e Caixa públicos é soberana e pela defesa da democracia

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
A luta pelo BB e Caixa públicos é soberana e pela defesa da democracia

A luta que empreendemos nos últimos dois anos de governo Temer em defesa dos bancos públicos também é uma questão de defesa da soberania do país e da democracia. E irá continuar nos próximos anos. A presença massiva dos bancários e bancárias e da população será fundamental na nossa resistência para podermos fazer frente a essas ameaças de privatizações e ataques às empresas públicas

As duas maiores instituições públicas bancárias do país estão na mira e nos projetos de privatizações do próximo presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro. Durante toda a campanha eleitoral, pode-se dizer que Bolsonaro não mentiu quanto às suas intenções de privatizar as empresas públicas sob o controle da União. Omitiu que seu governo seria a continuação do recente projeto neoliberal.

 

Bolsonaro coloca nas mãos do seu “guru”, a quem chama de Posto Ipiranga, o economista Paulo Guedes, decisões sobre a entrega dos Bancos do Brasil e da Caixa, este último, o único banco 100% público no Brasil. Guedes é um rentista de extrema direita. Alguém que terá nas mãos o poder de alterar variáveis econômicas para mudar valores de ações e lucrar. Por isso não é estranho que queira vender tudo que puder e que a política de câmbio seja desvalorizar o real.

 

Se Temer prepara a Caixa e o Banco do Brasil para a venda, Bolsonaro e seus ministros querem entregar o mais depressa possível. Se Temer demitiu por meio de PDVs, fechou agências e piorou o atendimento para enfraquecer a imagem dos bancos públicos e fazer a opinião pública chegar à conclusão de que vender os bancos é a melhor solução porque eles são ineficientes, Bolsonaro quer bater o martelo no pregão.

 

A sanha da continuidade do projeto neoliberal de venda do setor público iniciada pelo governo Temer virá acompanhada por pressão ainda mais agressiva sobre os trabalhadores dos bancos públicos. Metas abusivas e assédio moral? Bolsonaro já fez isso durante e depois das eleições com ameaças a médicos cubanos e de rompimento unilateral com parceiros econômicos tradicionais, como a China.

 

Tudo o que puder

Paulo Guedes sabe que toda a participação da União em empresas públicas federais poderá alcançar um valor de R$ 400 bilhões a R$ 600 bilhões. Mas seus alvos prediletos são o maior banco comercial do país, o Banco do Brasil, e a maior instituição de crédito imobiliário e gestora de programas sociais, a Caixa.

 

O céu cinzento, prenúncio de longa tempestade, é a verdadeira promessa que Bolsonaro e a sua turma tentam esconder sob o manto das fake news. Eleito presidente com menos de 40% do total de eleitores, a saga do “Messias” será mesmo o confronto e o conflito. De messias, anunciador de boas novas, o presidente eleito só tem o nome. Isso porque o seu método é o desmonte de todo o patrimônio nacional de forma acelerada.

 

Incompetência ideológica

Privatizar o Banco Brasil que está em quase todos os 5.600 municípios do país é de uma incompetência ideológica e política bárbaras. É estratégia de quem desconhece economia e pouco sabe da importância e do papel que esse banco público brasileiro tem nas diversas áreas em que atua. Centenas de municípios brasileiros se desenvolvem graças a agências do BB. Porque oferece crédito competitivo para a agricultura, indústria, comércio, servidores municipais, clientes, o BB é sinônimo de segurança financeira.

 

Em relação à Caixa, não é diferente. Não vamos deixar que Bolsonaro e sua tropa de choque esvaziem a importância que têm para o crescimento e desenvolvimento do Brasil as atuações da Caixa. Bancarizar o cliente de baixa renda. Garantir até mesmo que o país saia de crise financeira mundial sequer chamuscado. Essas também são demonstrações da importância da Caixa para o povo brasileiro.

Estado de alerta

Os bancários devem estar alertas. O movimento sindical cumprirá o seu papel de denunciar os desmontes e de mobilizar os colegas para a resistência e a luta.

 

A importância de defender o BB e a Caixa públicos é a de dar condições de lutarmos por um país melhor e pela democracia. Defender a Caixa e o Banco do Brasil é defender o futuro do povo brasileiro. É uma questão de soberania e de respeito a um país gigante.

Escrito por: Clóvis Victoria
Fonte SEEB de Porto Alegre
Postado por Gustavo Mesquita em Artigos

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!