Ocupar é um direito!

Todo apoio às famílias sem teto de SP e ao companheiro Guilherme Boulos!

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Todo apoio às famílias sem teto de SP e ao companheiro Guilherme Boulos!Mídia Ninja

Mais do que fechar os olhos, o Estado, além de não cumprir com seu dever constitucional de prover o direito à moradia, promove uma ação absurda e truculenta contra aqueles que com muito suor buscaram uma alternativa digna ao problema social.

A Polícia Militar de São Paulo protagonizou nesta terça-feira, 17, mais um capítulo da guerra social em curso no país. Despejou com violência mais de 3 mil pessoas de um terreno de São Mateus, na zona leste da cidade São Paulo, conhecido como Ocupação Colonial. Há um ano e meio atrás o terreno estava completamente irregular pois não cumpria sua função social servindo de local para entulho e outras ações escusas. 

 

Foi quando estas famílias, pressionadas pelo desemprego e pelos baixos salários, procuraram construir uma alternativa ao aluguel e ao desalento ocupando aquele terreno. Limparam, fizeram obras de infra-estrutura, e principalmente deram uma função social ao terreno e ao mesmo tempo solucionaram autonomamente o problema social da moradia ao qual o Estado insiste em fechar os olhos.

 

Mais do que fechar os olhos este mesmo Estado, além de não cumprir com seu dever constitucional de prover o direito à moradia, promove uma ação absurda e truculenta contra aqueles que com muito suor buscaram uma alternativa digna ao problema social. Um juiz cego a constituição brasileira se fez de surdo aos inúmeros pedidos de revisão da decisão de reintegração de posse. Uma Polícia Militar cega aos direitos fundamentais promoveu o despejo sem cumprir nenhum requisito legal de remoção de famílias como uma reunião prévia, o levantamento de crianças e idosos e a garantia de condições para que as famílias pudessem ir, junto com seus pertences, para um local seguro.

 

A Polícia Militar seguiu a velha estratégia do “tiro, porrada e bomba”, inclusive com aqueles que pacificamente buscavam alertá-la dos riscos e da desnecessidade de uma ação como essa. Foi assim que prenderam Guilherme Boulos coordenador do MTST, que buscava simplesmente uma saída pacífica, negociada e dentro da lei para evitar o confronto.

 

Uma polícia que age criminosamente não tem legitimidade para garantir a lei. Exigimos a libertação imediata de Guilherme Boulos.

 

Nós, da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, estaremos ao lado de todas as famílias sem teto do país, pois enquanto morar for um privilégio, ocupar é um direito!

Fonte: Intersindical - Central da Classe Trabalhadora
Postado por Fernando Diegues em Notícias
Atualizado em: 17 de janeiro de 2017

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!