Não à Precarização!

Nota técnica do Dieese esclarece os malefícios da terceirização

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Nota técnica do Dieese esclarece os malefícios da terceirização

Nas atividades tipicamente terceirizadas, as condições de trabalho e a remuneração são bem piores do que as verificadas nas atividades que contratam pela CLT

Dados obtidos pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos (Dieese) a partir de recortes específicos na Relação Anual de Informações Sociais (Rais) revelam, de modo geral, que, nas atividades tipicamente terceirizadas, as condições de trabalho e a remuneração são bem piores do que as verificadas nas atividades que contratam pela CLT.

 

Em síntese e considerando somente o ano de 2014, os dados obtidos revelam que:

 

– A taxa de rotatividade descontada é duas vezes maior nas atividades tipicamente terceirizadas (57,7%, contra 28,8% nas atividades tipicamente contratantes);

 

– Nas atividades tipicamente terceirizadas, 44,1% dos vínculos de trabalho foram contratados no mesmo ano, enquanto nas tipicamente contratantes, o percentual foi de 29,3%;

 

– 85,9% dos vínculos nas atividades tipicamente terceirizadas tinham jornada contratada entre 41 e 44 horas semanais. Já nos setores tipicamente contratantes, a proporção era de 61,6%;

 

– Os salários pagos nas atividades tipicamente terceirizadas fora da região Sudeste eram menores, o que reforça as desigualdades regionais;

 

– O percentual de afastamentos por acidentes de trabalho típicos nas atividades tipicamente terceirizadas é maior do que nas atividades tipicamente contratantes – 9,6% contra 6,1%; e

 

– Os salários nas atividades tipicamente terceirizadas eram, em média, 23,4% menor do que nas atividades tipicamente contratantes (R$ 2.011 contra R$ 2.639).

 

Tendo em vista a aprovação do PL 4.302/98, na Câmara, e a iminente aprovação, pelo Senado, do PLC 30/15, é preciso divulgar esses números para concluir quão precarizante é o trabalho terceirado. 

 

“Terceirizar é alugar pessoas, achatar salários menores, suprimir direitos e fazer com que as pessoas trabalhem até adoecer e morrer”, alerta Edson Carneiro Índio, secretário-geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

 

Leia a íntegra da nota do Dieese

Fonte: Intersindical - Central da Classe Trabalhadora
Postado por Fernando Diegues em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!