Seminário sobre Reforma da Previdência

Intersindical destaca necessidade de unidade de luta

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Intersindical destaca necessidade de unidade de lutaNelson Ezídio

Seminário “Reforma da Previdência, Desafios e Ação Sindical” debate os prejuízos e males que atingirão a população se o projeto for aprovado

A Intersindical Central da Casse Trabalhadora marcou presença no Seminário “Reforma da Previdência, Desafios e Ação Sindical”, promovido pelo Dieese, em São Paulo, no Sindicato dos Padeiros. Na abertura (terça, 7), todas as centrais sindicais fizeram suas saudações. O evento termina nesta quarta-feira (8).

 

Ricardo Saraiva Big, secretário de Relações Internacionais da Intersindical, defendeu vigorosamente a unidade do movimento sindical e social na luta contra o desmonte da Previdência.

 

“Tem que ter humildade para construir uma greve geral no país, temos que chamar MTST, MST, e o que ainda há de vigor na luta do povo. Se ficarmos na arrogância de brigar pela data que queremos, se a gente não tiver unidade numa única data, seremos todos derrotados”.

 

Big lembrou que no dia 15 de março os trabalhadores da educação vão parar e provocou os representantes das centrais a aderirem à greve geral neste dia. “Quem bateu panela no país vai ficar com as panelas vazias”, afirmou.

 

Na primeira mesa de discussões, ‘Atribuições e Fontes de Previdência’, o consultor Luciano Fazio enfatizou que a previdência social tem outras fontes de financiamento além das contribuições diretas, e que ela foi pensada como forma de equilíbrio econômico e social.

 

“O caráter contributivo não é tudo na previdência. A Constituição Federal de 1988 se baseia no caráter social. É uma lógica perversa dizer que a previdência seria paga por cada um segundo a sua contribuição, como se fosse uma poupança individual. A previdência pública é um amparo de proteção social para momentos .”

 

Para Vilson Antônio Romero, da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), o governo Temer está aplicando uma ditadura demográfica com base em parâmetros europeus de países de primeiro mundo para justificar a reforma da previdência no Brasil.

 

Em 12 meses, R$ 120 bilhões serão desvinculados com o aumento da DRU (Desvinculação das Receitas da União) em 30%. As renúncias fiscais, só em 2016,  ficaram em R$ 69,7 bilhões e a dívida ativa consolidada está em R$ 374 bilhões”.

 

“Sobra dinheiro no conjunto de financiamento da seguridade social. Há teto para arrolar a dívida pública? Não! Só para os programas sociais”, ressaltou.

Fonte: Intersindical - Central da Classe Trabalhadora
Postado por Fernando Diegues em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!