Greve Geral

Greve geral mexeu com o bolso dos patrões e entra para a história do Brasil

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Greve geral mexeu com o bolso dos patrões e entra para a história do BrasilFabiano M. Couto

A greve geral de sexta-feira, 28 de abril, entra para a história do Brasil pela conscientização, mobilização e adesão maciça, graças à união de sindicatos, igrejas, correntes políticas das mais diversas vertentes, trabalhadores urbanos e rurais, aposentados e estudantes em todo o país.

“De norte a sul do país os trabalhadores se deram conta do estrago que significa o desmonte de direitos e resolveram cruzar os braços. Afinal, não era dia de dar lucro para o patrão, mas de defender os direitos trabalhistas e a aposentadoria, por isso as ruas ficaram vazias e as pessoas em casa”, explica Edson Carneiro Índio, secretário-geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

Segundo estimativas das centrais sindicais foram entre 35 milhões e 40 milhões de pessoas envolvidas na greve, o que corresponde a um terço da população economicamente ativa do Brasil.

“Realizamos uma das mais significativas mobilizações da história brasileira, surpreendendo o governo e os grandes empresários. Para nós, da Intersindical, não foi surpresa, estava clara a disposição para a luta”, afirma Índio.

A parada estratégica que deixou as cidades vazias cumpriu com o objetivo de transmitir a mensagem dos trabalhadores na linguagem que só o grande capital é capaz de entender: o prejuízo econômico e financeiro da paralisação de um dia.

Milhões em prejuízo

Para se ter ideia de como a greve mexeu com o bolso dos patrões, basta escolher uma categoria que sempre tem os prejuízos calculados e divulgados pela mídia quando pára. Um dia de greve dos auditores da Receita Federal no Porto de Santos (SP), por exemplo, causa um prejuízo de R$ 100 milhões nas contas do governo.

E neste 28 de abril não foram só eles que pararam. Estivadores, transportadores, fiscais agropecuários, entre outros, também cruzaram os braços. A adesão total à greve também aconteceu nos portos do Rio de Janeiro (RJ) e de Vitória (ES). Outros pararam parcialmente, como em Paranaguá (PR) e Rio Grande (RS).

Sem contar que todas as atividades econômicas do país, como comércio, serviços, indústrias ficaram às moscas. E o governo Temer ainda tem a cara de pau de usar a mídia para dizer que esperava por uma adesão maior das massas.

Ruas tomadas em todo o país


O povo foi sim às ruas, apesar do silêncio da grande mídia – que optou propositadamente por concentrar a cobertura nos incidentes, confrontos e desavisados que esperavam pelo transporte público ao longo do dia.

Em Pernambuco, 200 mil foram às ruas, em Minas Gerais foram 100 mil, mas a televisão não mostrou nada. Em São Paulo 70 mil pessoas enfrentaram o frio no Largo da Batata, mas a Globonews só transmitiu imagens de longe do ato, gastando horas de cobertura com lixeiras incendiadas e o aparato policial – e ignorando por completo a massa de trabalhadores que protestava contra as reformas de Michel Temer e seu Congresso de comparsas.

“Temos que ter claro que não podemos nos deixar pautar pela Rede Globo. Ela é inimiga do povo brasileiro. A pauta do Jornal Nacional não é a nossa pauta. Nossa pauta é a defesa de direitos, da democracia, da classe trabalhadora. A companheirada está de parabéns, rodoviários, metroviários, bancários, professores, servidores, portuários, trabalhadores da saúde, entre outros, e todos os que se juntaram à greve nacional”, discursou Índio no ato em São Paulo.

Senadores precisam ouvir a voz das ruas

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, ressaltou durante a passeata em São Paulo que, “após a maior greve dos últimos 30 anos no Brasil”, os senadores precisam ouvir “a voz das ruas” para reverter a reforma trabalhista. “Entre a aprovação na Câmara e o texto ir para o Senado nós paramos o Brasil”, avisou o principal dirigente da Frente Povo Sem Medo.

“A greve geral é vitoriosa! Vamos continuar na luta, no amor ou na dor vamos atropelar essa agenda que quer acabar com os direitos da classe trabalhadora e do povo brasileiro, isso é um crime de lesa pátria, contra o povo, contra o Brasil”, alertou Índio.

# Greve geral no Brasil: a volta da centralidade do trabalho

Fonte: Intersindical
Postado por Fabiano Couto em Notícias
Atualizado em: 01 de maio de 2017

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!