Saúde

Depressão, a doença dos Bancários

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Depressão, a doença dos Bancários

Depressão e sua relação com o assédio moral sofrido pelos bancários.

Estudo da Organização Mundial de Saúde mostrou que só em 2016, 75 mil pessoas foram afastadas do trabalho em razão da depressão e que até 2020 a doença será a mais incapacitante do mundo. Inclusive, no ano de 2017, no Dia Mundial da Saúde, comemorado a cada 7 de abril, a OMS escolheu o tema depressão.



No Brasil, conforme dados da Previdência Social em relação a afastamentos por auxílio doença acidentário, as causas relativas à episódios depressivos apresentam número relevante de casos de afastamento. Os dados da Interfarma demonstram um aumento de antidepressivos e estabilizantes de humor em torno de 18,2% no ano de 2016, quando comparado com 2015.



Analisando os dados e comparando o ano de 2015 e 2016, identificamos um aumento aproximado de 19,2% em virtude de afastamento do trabalho tendo como causa transtornos mentais. Importante destacar, no entanto, que transtorno mental é um gênero do qual depressão é uma espécie.



No mesmo sentido, depressão e episódios depressivos possuem conceitos e causas diferentes. Enquanto o primeiro é uma doença consolidada, em que existe uma deficiência química no organismo do paciente, o episódio depressivo pode ocorrer em pessoas consideradas saudáveis, sem nunca ter apresentado nenhum sintoma da doença. O episódio depressivo será desencadeado por inúmeros fatores, mas, principalmente, stress excessivo, pressões desmedidas, meio ambiente de trabalho desfavorável, entre outras.



Como semelhança, tanto a depressão quanto o paciente que está apresentando episódio depressivo, apresentam completa ou relativa incapacidade para o trabalho e relacionamentos, podendo evoluir de acordo com a gravidade de cada caso.



Para os trabalhadores que desenvolvem essa condição a doença aparece a partir de sensação de tristeza, autodesvalorização, sentimento de culpa, irritabilidade, tudo parece fútil ou sem real importância, apatia, redução de prazer nas atividades que antes eram agradáveis, fadiga, diminuição da capacidade de pensar, alteração de sono e apetite, redução do interesse sexual, retraimento social, crises de choro e em casos mais graves, ideias de suicídio entre outros sintomas. Importante destacar que não é necessário apresentar todos os sintomas para caracterizar a depressão ou episódio depressivos.


Dentre os trabalhadores acometidos de episódios depressivos, os bancários, por laborarem em ambiente extremamente estressante, são uma das principais vítimas. A cobrança excessiva de metas, a pressão diária para vender produtos, a relação muitas vezes nada amistosa com o cliente, todos esses fatores podem ser considerados determinantes para uma crise.



Segundo dados do INSS, no ano de 2013, cerca de 18 mil bancários foram afastados, desses, aproximadamente 53% tiveram como causas principais os transtornos mentais.



Assim, desencadeada a crise, caso não busque tratamento adequado, o trabalhador terá uma piora constante em seu estado de saúde, iniciando pelo trabalho e evoluindo para todas as relações sociais.



Contudo, a Justiça do Trabalho vem observando os desdobramentos e buscando punir empregadores que exigem dos trabalhadores, principalmente bancários, mais do que sua saúde mental consegue aguentar. Mas, como o assédio é tão grande e tão comum, muitas vezes magistrados e o próprio Tribunal vêm se tornando insensível à questão.



É necessário voltar a atenção para aqueles trabalhadores que sofrem com o assédio tão comum em agências bancárias, e punir os empregadores de maneira exemplar, já que o meio ambiente de trabalho saudável é direito de todos os empregados.



Ademais, os dados são alarmantes para a categoria bancária, já que, conforme relatado no ano de 2013, mais de 50% dos afastamentos eram relacionados à transtornos mentais, provocados na grande maioria das vezes, em razão do labor executado. Em nosso atendimento diário, uma das queixas mais comuns da categoria bancária é justamente o assédio moral e as suas consequências nas relações de trabalho e pessoal.



O ordenamento jurídico atual protege o empregado de tratamentos abusivos, cabendo, quando o fato ocorre após o fim da relação laboral, recorrer à Justiça do Trabalho em busca de uma compensação por todo o dano sofrido, já que a reparação completa pode nunca ocorrer.



Por fim, em razão dos dados verificados, concluímos que a depressão e episódio depressivos são extremamente comuns no dia a dia do bancário, de modo que cabe à Justiça do Trabalho punir os agressores com vistas à diminuir a pressão e melhorar o meio ambiente de trabalho.

 

Depressão? Assédio? Chama o Sindicato!

Se algum Bancário ou Bancária da Baixada Santista sofrer com assédio moral, deve imediatamente comunicar para nossos Dirigentes ou anonimamente por meio do Fale Conosco do site do Sindicato. Outros canais de comunicação são o facebook e o whatsapp do Sindicato dos Bancários.

 

>> Defenda-se de assédio moral, clique aqui e filie-se ao Sindicato!

Escrito por: Leandro Colnago Fraga
Fonte: fragaelima.adv.br
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!