Nenhuma a menos

8 de março: Fim da violência contra a mulher e o desmonte da previdência

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
8 de março: Fim da violência contra a mulher e o desmonte da previdênciaFabiano Couto

A cada 1 hora e meia uma mulher é assassinada por violência machista

No Dia Internacional das Mulheres, 8 de março, um grande coletivo de mulheres com mais de 14 grupos da Baixada Santista (entre eles o Coletivo de Mulheres Bancárias), reuniu mais de 300 pessoas e realizou Ato Unificado. A concentração foi na Estação da Cidadania, em Santos/SP, com exposições, oficinas, varal de poesias, bancas para simulações de aposentadoria contra o desmonte da Previdência e prevenção contra DST e HIV, exibição de curtas, performance e marcha até a Pça. Independência.

 "Todo o Coletivo de Mulheres Bancárias e os demais coletivos entendem que o Dia Internacional das Mulheres é dia de lutar contra a violência, o estupro e o machismo. E também pela garantia de emprego digno, pela manutenção dos direitos trabalhista, contra do desmonte da Previdência Social e por poder viver sem temer”, diz Marcia Peres, diretora do Sindicato e uma das organizadoras do Ato.

“Nós mulheres trabalhadoras seremos as mais atingidas com o desmonte da previdência social pois vamos precisar de 49 anos de contribuição e 65 anos de idade para aposentadoria. Esse aumento na idade desconsidera a dupla ou até tripla jornada para aquelas que têm dois empregos aliados ao trabalho doméstico. A expectativa de vida no Brasil em muitas regiões é menor que 65 anos o que significa que muitas vão morrer antes da aposentadoria”, reage Eneida Koury, presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região.

O Ato Unificado foi finalizado com saudação aos nomes de mulheres assassinadas, apresentação do grupo feminino de maracatu Baque Mulher e falas das entidades envolvidas. Elas saem às ruas de Santos não para comemorar, pelo contrário, para demonstrar indignação e lutar contra o machismo, a violência, a cultura do estupro e também contra o desmonte da Previdência Social. 

  

O Brasil é um campo de guerra para as mulheres 

A cada 1 hora e meia uma mulher é assassinada por violência machista. O Brasil é um dos países que mais matam mulheres, e o que mais mata pessoas transexuais. Entre os casos de violência doméstica, a maioria é presenciada pelos filhos que também são vítimas da violência, na maioria dos casos. 


Para a mulher negra a violência é ainda mais brutal: os assassinatos dessas * tiveram um aumento de 54,2% entre 2002-2013, consequência nítida do racismo. Por ano acontecem 50 mil estupros: a maioria ocorre dentro de casa e é praticado por um conhecido da vítima. 

 

Dia Internacional das Mulheres: 8 de Março

Dia 8 de Março não se trata de presentear mulheres com flores. A data que surgiu com o objetivo de organizar as mulheres para enfrentar as dificuldades impostas pelo sistema, imposta pelo machismo. 

 

Programação do dia 8 de março

* 16h30 às 18h30 - Concentração na Estação da Cidadania

* microfone aberto

* varal de poesias

* oficina de estencil

* oficina de cartazes

* exposição de fotos e pintura

* banquinha para simulação da aposentadoria

* banquinha da prevenção dst/hiv

 

Exibição de curtas (dentro da estação da cidadania):

* 17 horas - Acorda Raimundo, acorda!

* 17h30 - Madalena (com presença da diretora)

* 18 horas - teaser Eu, empregada doméstica!

 

* 18h30 - performance e saída da Marcha até a Praça Independência

 

* 19h30 - Baque Mulher

* Fala das entidades envolvidas

Escrito por: Gustavo Mesquita
Fonte: Imprensa Seeb Santos e Região
Postado por Fernando Diegues em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!