Não à precarização

Terceirização na Caixa prejudica contratação dos concursados

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Terceirização na Caixa prejudica contratação dos concursados

Ainda são muitos os que exercem funções bancárias sem vínculo de emprego direto; terceirização prejudica contratação dos concursados

A luta contra a terceirização na Caixa é antiga. No início dos anos 2000, os prestadores de serviço chegavam quase à metade do número de contratados diretos – em 2002, por exemplo, eram 55.394 empregados e 24.699 terceirizados. Ao longo da década essa relação foi diminuindo, mas voltou a aumentar a partir de 2009.


No final da década de 1990 e início dos 2000 a maioria dos terceirizados estava na retaguarda do banco. Isso começou a ser revertido em 2006, quando a Caixa assinou TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) proposto pelo Ministério Público do Trabalho a partir de denúncias. Nesse termo, a Caixa teve de se comprometer a acabar com a terceirização em atividades-fim.


Hoje a terceirização na Caixa se dá principalmente na área de call center, onde os trabalhadores também exercem funções de bancários, as chamadas atividades-fim. Apesar de vários outros TACs e de ações na Justiça, o banco ainda mantém terceirizados realizando trabalho bancário no teleatendimento. Essa forma de contratação é ilícita, uma vez que a Súmula 331 do TST (Tribunal Superior do Trabalho) proíbe a terceirização nas atividades principais de uma empresa. Por isso tem-se obtido vitórias na Justiça contra a prática.


É justamente a Súmula 331, único instrumento que protege os trabalhadores contra a terceirização ilícita, que pode cair caso o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue improcedente a decisão do TST contra a Cenibra, empresa de celulose que utilizava mão de obra terceirizada em suas atividades-fim. Hoje a Súmula 331 é fundamental para o combate à terceirização na Caixa e no setor bancário em geral. Se ela cair com a votação no STF, a direção do banco vai poder terceirizar qualquer setor e qualquer função.


Concursados


Ao terceirizar, a Caixa deixa de contratar os concursados. Esse é um dos argumentos usados na ação movida pelo MPT pela contratação de aprovados em concurso de 2013. A ação teve parecer favorável da 6ª Vara do Trabalho de Brasília, mas a Caixa recorreu com embargo de declaração. Ao não nomear os concursados, a Caixa desrespeita cláusula do acordo coletivo 2014/2015, que determinava a contratação de 2 mil bancários.

Fonte: Com informações do Seeb SP
Postado por Comunicação SEEB Santos e Região em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!