Precarização

Ser funcionário do Itaú é o mesmo que andar no fio da navalha

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Ser funcionário do Itaú é o mesmo que andar no fio da navalha

Modelo organizacional focado em metas para venda de produtos deixa bancários no fio da navalha: tanto não cumprimento dos resultados como vendas inapropriadas podem causar advertências e demissões; Sindicatos denunciam abusos de gestores há meses e problema chegou ao Ministério Público do Trabalho.

O movimento sindical vem denunciando há meses à direção do Itaú o assédio moral praticado por gestores das áreas comercial e operacional de centros administrativos como CAT e ITM. O banco reconheceu o problema, porém nada fez. Segundo relatos dos bancários, os clientes estão deixando de adquirir produtos devido à crise econômica. Eles relatam que por causa das desistências estão sofrendo punições como advertência e até demissões.

O desabafo assinado por funcionários do Itaú resume a situação: “Gestores que não respeitam o ser humano, não respeitam as pessoas que trabalham todos os dias, dando tudo de si para bater metas. Fazem uso de ameaças. O desrespeito vem em cascata, começa pelo diretor, [passa] pela superintendente. Tratam os funcionários como se fossem bichos, sem respeito algum. Tem gerente que em reunião com coordenadores grita com quem está presente, o respeito e a consideração só acontece quando há superiores por perto, pessoas estão sendo desligadas sem o menor respeito.”

Esse modelo organizacional focado no cumprimento de metas para a venda de produtos aos clientes é responsável por uma epidemia de doenças causadas por estresse e assédio moral e obriga os empregados a descumprirem normas do Banco Central [Bacen] e do próprio Itaú para que consigam atingir as metas muitas vezes inalcançáveis impostas pelos gestores. Ao mesmo tempo, o banco demite por justa causa os bancários que descumprem as próprias normas e as do Bacen.

Essas normas visam justamente impedir que o bancário empurre produtos inadequados ou desnecessários para determinado perfil de cliente sob pena de advertência ou demissão. Mas, por outro lado, gestores impõem metas de vendas muitas vezes inatingíveis para os mesmos produtos, o que também causa advertências e demissão caso não sejam alcançadas.

A denúncia dos bancários chegou ao Ministério Público do Trabalho (MPT). Mesmo assim o banco continua a defender a prática. Agora o movimento sindical foi intimado pelo MPT a prestar esclarecimentos sobre esse abuso. Os representantes dos trabalhadores não vão medir esforços para demonstrar que o assédio é a regra apoiada pela diretoria do banco.

Fonte: SEEB SP
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!