#SeLiga

Santander: a grande farsa do Retorne Bem

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Santander: a grande farsa do Retorne Bem

Enquanto programa de retorno ao trabalho do Santander é destaque em congresso, bancários sofrem com diversos problemas no momento em que voltam para a empresa.

O programa Retorne Bem, do Santander, foi agraciado com o 6º Prêmio de Reabilitação Profissional na categoria "Empresa privada", concedido no âmbito do 9º Congresso de Reabilitação Profissional e Gestão de Afastamentos, realizado em Campinas nos dias 20 e 21 de junho. Mas será que o banco espanhol receberia tal honraria se o prêmio fosse concedido por seus funcionários? Para o movimento sindical, a resposta é não.

“O Retorne Bem é uma verdadeira caixa preta. A representação dos trabalhadores não participou da sua construção como prevê a 44ª cláusula da CCT [Convenção Coletiva de Trabalho] e, portanto, não conhece e não valida seus processos. É escandalosa a falta de autonomia do médico no momento de realizar o exame de retorno e o demissional. O médico indicado pelo banco não avalia e não leva em consideração o relatório do médico assistente. Só considera o trabalhador inapto se houver concordância do RH”, denuncia a Dirigente Sindical do SEEB SP, Vera Marchioni.

Faltam informações para trabalhadores que estão no programa e para o gestor que irá recebê-los de volta, não existe um canal para sanar dúvidas. Outro problema comum, mesmo em casos em que há indicação médica, é o fato dos funcionários não conseguirem a mudança do local de trabalho. Além disso, ainda encontram dificuldades para receber a cópia da sua avaliação médica.

O movimento sindical recebe diariamente denúncias de insatisfeitos com o Retorne Bem. Um caso recente é emblemático. Uma bancária, que teve alta do INSS, passou pelo exame de retorno e o médico que a atendeu na Torre Santander a considerou apta, mesmo com o braço direito totalmente imobilizado e o esquerdo comprometido em 50% dos movimentos. O profissional do banco ignorou relatório do cirurgião que a operou. E o pior, o Santander determinou seu retorno para as mesmas funções e local causadores do adoecimento.

Não reconhecemos o sucesso do programa. Ao contrário, existem diversas denúncias de afastados que no retorno ficam registrados como PcD [Pessoa com Deficiência]. Isso impede avanços na carreira. Além disso, muitos retornam para as mesmas funções que os adoeceram e voltam a ficar mal. O movimento sindical cobra do banco autonomia do médico indicado por ele; que a avaliação do médico assistente seja considerada; e, principalmente, respeitado as necessidades específicas no retorno. O único prêmio que interessa é a preservação da saúde e dignidade dos bancários.

Leia Também: Gerente com recorde de denúncias é blindada pelo Santander

Fonte: SEEB SP
Postado por Fabiano Couto em Notícias
Atualizado em: 29 de junho de 2016

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!