Precarização

Por dentro do drama da terceirização

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Por dentro do drama da terceirização

Salários mais baixos, exploração do patrão... Profissionais de diversos setores contam como é o seu dia a dia.

A Câmara dos Deputados traiu a classe trabalhadora aprovando, no dia 22 de março, a liberação da terceirização irrestrita (PL 4302). A medida vai trazer inúmeras consequências negativas, como redução de salários, enfraquecimento da previdência e outros malefícios.

Mesmo antes da votação da Câmara, a precarização das relações de trabalho já vinha se caracterizando como uma realidade para muitos setores. Trabalhadores de diferentes áreas narram como este modelo de contrato prejudicou suas vidas.

Duras realidades
“É a terceira vez que eu trabalho sem carteira assinada. Eu não tenho nenhum contrato que me garanta alguma coisa lá no fim: me contrataram e não deram um contrato, não precisava enviar nota, nada. Se acontecer alguma injustiça, eu só tenho como provar meu vínculo por trocas de e-mail, mas objetivamente eu não tenho nada! Então, além de todos os direitos que eu estou abdicando, como INSS e FGTS, eu não me sinto protegida pelas leis. Isso sem contar o fato de eu não ter declaração de renda, então qualquer coisa que eu precise, como abrir uma conta bancária, tenho dificuldade. Não me sinto garantida em nada! Em contrapartida, já trabalhei em duas empresas com carteira assinada, mas era terceirizada. Em uma delas eu não tive depósito do FGTS. É como se eu tivesse que pedir por favor para ter meus direitos preservados, como férias, por exemplo.”

O relato acima é de uma profissional de relações públicas, que conta, também, que precisou entrar na Justiça após o desligamento da vaga para cobrar o pagamento de salários atrasados.

“Tem que ter um controle maior de tudo, né? Não existe cartão alimentação, vale-transporte, plano de saúde... Essa grana sai toda do meu salário. O 13º vira uma poupança que eu só posso mexer no fim do ano. Férias eu nem sei mais o que é”, descreve outra profissional, que trabalha em produção audiovisual como terceirizada desde novembro de 2015.

Terceirizado ganha menos
Além de salários atrasados e cortes de benefícios, os ganhos dos profissionais terceirizados é também menor do que os empregados regularmente contratados pelas empresas. Isso afetou consideravelmente a vida de uma trabalhadora que prestava serviços para o Itaú.

“A empresa foi fechada, pois o Ministério do Trabalho e TST a consideraram uma fraude trabalhista. Era uma empresa que funcionava nos prédios do Itaú, com a marca do Itaú, diretores do Itaú, mas na hora de pagar trabalhador, de fixar as horas, alegava não ser do Itaú. E é isso que eles estão regulamentando! Empresas serão criadas apenas para contratar mão de obra por preço injusto e condições precárias”, protestou.

Um engenheiro, hoje incorporado da empresa onde trabalhou como terceirizado, conta que viu na prática a diferença salarial entre os dois tipos de contrato que experimentou.

“Existia sim diferença salarial com relação aos funcionários [terceirizados e efetivados], algo em torno de 10 a 20% a menos. O fato de o contrato ter um período determinado é a pior parte de ser terceirizado, pois o contrato entre as empresas pode acabar a qualquer momento, dependendo da demanda, que é ditada pelo mercado. Fui contratado em julho de 2013 pela terceirizada e em novembro descobri que o contrato entre as empresas seria encerrado ao final de dezembro. Larguei um emprego onde eu estava há mais de 3 anos para me arriscar. No fim acabei sendo absorvido pela empresa. Mas um colega que trabalhava comigo não foi e ficou fora do mercado por 11 meses. Quando fui incorporado pela empresa, pude ter acesso a um salário melhor, equiparado aos demais, além de participar das reuniões estratégicas, ter acesso ao benefícios e ter a possibilidade de mobilidade entre as diversas áreas da empresa”, conta.

# Deputados TRAIDORES de Santos e região aprovam a terceirização

Fonte: SEEB SP
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!