Precarização

Governo tenta destruir também o Saúde Caixa

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
Governo tenta destruir também o Saúde Caixa

Empregados têm de ampliar mobilização para impedir mudanças unilaterais na assistência médica tanto de quem está na ativa quanto de aposentados; regras de custeio estão estabelecidas no acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho.

A cláusula 32 do acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), com validade de dois anos (2016/2018), estabelece as regras e obrigações tanto dos empregados quanto do banco para custear o Saúde Caixa: 30% para os beneficiários titulares e 70% para a Caixa.

# Dia 28 de abril vamos parar o Brasil!

Mesmo com essa segurança legal, recentes declarações do representante de Michel Temer e presidente da instituição, Gilberto Occhi, acendeu o sinal de alerta no movimento sindical. Durante a divulgação do balanço da instituição, em 29 de março, Occhi afirmou a jornalistas que pretende promover mudanças no Saúde Caixa, reduzindo as provisões para cobrir despesas futuras com o plano e, assim, economizar para fortalecer a base de capital da instituição.

Existe um acordo firmado entre o banco e os trabalhadores que tem de ser respeitado por todos. Se houver qualquer indício de mudança na forma de custeio do Saúde Caixa o movimento sindical vai reagir a altura.

Esta não é a primeira medida que a Caixa cogita para reduzir sua participação no plano de saúde. Em 26 de janeiro deste ano, a empresa anunciou reajustes nas mensalidades e na coparticipação dos assistidos, mas foram suspensos em 31 de janeiro, por força de liminar da 22ª Vara do Trabalho de Brasília (DF). A ação foi ajuizada por representantes dos trabalhadores de todo o país, justamente com o argumento de que tal medida descumpria o acordo aditivo.

# Temer sanciona PL e terceirização irrestrita vira lei

Outra tentativa ocorreu em 16 de março, em reunião do GT Saúde Caixa, quando a empresa apresentou proposta de mudança no modelo de custeio. O objetivo era o de estabelecer teto para sua participação com base em percentual da folha de pagamento. A proposta foi rechaçada pelo movimento sindical.

São milhares de trabalhadoras da ativa e aposentados e respectivos dependentes que estão apreensivos em relação ao futuro do banco e do Saúde Caixa. Não há justificativa para alterações, pois o plano é superavitário.

A Caixa é o único banco nacional de varejo 100% público, seu único controlador é o governo federal. Em um momento em que a premissa do governo é não mais haver aporte para investimentos, a nova direção do banco intensifica seus ataques aos empregados e à própria instituição por meio da redução brutal do quadro de trabalhadores, fechamento de agências e agora também ataques ao Saúde Caixa. Tudo isso prejudica o papel social do banco público, de oferta de crédito, direcionada para o desenvolvimento do país. Estão praticamente decretando o fim do banco público. Os empregados da Caixa tem de reagir e dizer não a tudo isso.

Reunião com o banco
Está marcada para dia 7 de abril reunião entre a CEE e representantes do banco público. Entre os temas está o pagamento da PLR aos empregados. Nesse caso o movimento sindical vai cobrar que a distribuição aos trabalhadores leve em conta o lucro recorrente e não o contábil, como fez o banco. Outra reivindicação é que haja a contratação de mais bancários para as agências e complexos administrativos.

# PLR menor é reflexo da gestão que quer enfraquecer a Caixa

Fonte: SEEB SP
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!