Não à Precarização!

BB presta esclarecimentos perante MPT sobre reestruturação

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
BB presta esclarecimentos perante MPT sobre reestruturação

Movimento sindical participa de audiência de mediação em defesa do banco público. Ministério Público do Trabalho cobrou transparência do banco em nova audiência, dia 7 de fevereiro.

Durante audiência de mediação no Ministério Público do Trabalho, em Brasília, nesta segunda-feira (19), o Banco do Brasil presta esclarecimentos sobre descomissionamentos e fechamento de agências. 

 

A audiência desta segunda-feira foi um episódio de extrema importância na luta em defesa do Banco do Brasil. Dirigentes sindicais tiveram a oportunidade de aprsentar ao Ministério Público do Trabalho as preocupações com o conjunto do funcionalismo, dos ataques que estão sendo recebidos, além da preocupação quanto a própria defesa do banco público. Do seu importante papel de desenvolvimento e de fomento, da sua importância na agricultura nacional, nos programas sociais, e da sua inserção nas comunidades e municípios pequenos.

 

Foi feita a crítica ao projeto de esvaziamento do banco, da tentativa de privatização do BB. Falou-se da privatização que é um modelo planejado por pelo atual governo federal, foi mencionada a tentativa de privatização das empresas públicas, como a Petrobras e a Caixa.

 

Na ocasião, os promotores se colocaram sensíveis às questões que foram colocadas. Em vários momentos, o banco ficou contra a parede, sem respostas. Entre as questões do funcionalismo, foi feito pelos representantes dos trabalhadores, o debate sobre a isonomia de direitos. Como os dirigentes executivos do banco, que passa pela reestruturação, têm doze meses de salários garantidos através do VCP e os outros comissionados apenas quatro meses, e pior ainda, o porquê dos caixas que não têm direitos nem a esses quatro meses. Essa crítica foi bem aceita pelos representantes do Ministério Público do Trabalho, que deixaram claramente ao banco que estas questões precisam de respostas.

 

O Ministério Público do Trabalho, atento às colocações do movimento sindical, e depois de ter ouvido as ponderações dos representantes do BB e, já indicando uma insatisfação quanto à falta de transparência e critérios objetivos para a recolocação dos funcionários afetados pelo plano de reestruturação, designou nova audiência para o dia 7 de fevereiro de 2017 e requereu que os representantes do banco levassem à direção da empresa as seguintes propostas:

a)         Extensão da VCP para os caixas;

b)         Pagamento da VCP para todos os afetados pelo prazo de doze meses;

c)         A criação de uma comissão com Sindicatos para que seja acompanhado o processo de recolocação dos excedentes;

d)         Incorporação da comissão para aqueles com dez anos ou mais de exercício da função comissionada.

 

São, basicamente, demandas já submetidas ao Banco do Brasil, através da Comissão de Empresas. O Ministério Público do Trabalho, através da fala de seus representantes, foi categórico ao afirmar a necessidade de transparência quanto ao processo adotado e a urgência na resolução de conflitos criados por um modelo, que não foi amplamente debatido.

 

Os representantes dos trabalhadores deixaram claro para o banco que são contra a subjetividade dos processos. A estratégia é massificar a resistência na defesa do banco público.

Fonte: Contraf
Postado por Fabiano Couto em Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Telegram
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
[Voltar ao topo]
X

Fale Conosco:

Você pode contar sempre, com o Sindicato, para isso estamos deixando, mais um canal de comunicação, com você. Envie informações, denúncias, ou algo que julgar necessário, para a Luta dos Bancários. Ou ligue para: 0800 771 1920

Atenção: Todas as denúncias feitas ao sindicato são mantidas em sigilo. Dos campos abaixo o único que é obrigatório é o email para que possamos entrar em contato com você. Caso, não queira colocar o seu email pessoal, você pode colocar um email fictício.

Aguarde, enviando contato!